Pesquisar

|

|

Pesquisar
Close this search box.
Assets têm dificuldades para se adequar a regra europeia de sustentabilidade
Mesmo gestoras renomadas estão sendo obrigadas a reclassificar seus fundos de dark para light green
ESG, Assets têm dificuldades para se adequar a regra europeia de sustentabilidade, Capital Aberto
A SFDR passou a vigorar em março de 2021, mas as dificuldades impostas pela norma só agora se tornam mais evidentes | Ilustração: Freepik

Gestores de ativos em toda a Europa podem ter que reclassificar centenas de fundos ESG nos próximos meses, segundo informações da Bloomberg. Isso porque apenas uma pequena fração dos veículos registrados sob o Artigo 9 do Regulamento de Divulgação de Finanças Sustentáveis (SFDR, na sigla em inglês) atende ao nível de exigência da regra.  


A Capital Aberto tem um curso sobre investimentos responsáveis. Dá uma olhada! 


Esse dispositivo da SFDR exige que os produtos financeiros classificados sob o Artigo 9 — apelidados de dark green — tenham objetivo único e explícito de investimento sustentável. Além de explicarem qual é esse objetivo (como preservação da biodiversidade ou combate às mudanças climáticas), os gestores desses produtos devem informar de que forma pretendem alcançar esse resultado e calculá-lo usando métricas de sustentabilidade. 


Patrocinado: Você sabia que a Saint Paul tem um Programa Avançado em ESG? Vem conhecer! 


Vários gestores de ativos de destaque já estão “rebaixando” seus fundos seguindo as orientações do regulador europeu. Entre eles, a Pacific Investment Management Co., que reclassificou 4 fundos, e a NN Investment Partners, do Goldman Sachs Group, que reclassificou 10. Com essa medida, esses veículos passaram a ser enquadrados no artigo 8 da SFDR, que aceita os chamados produtos “light green” — ou seja, aqueles que buscam ativamente cumprir os princípios ESG, mas não têm essa meta explícita e nem investem 100% de seus recursos em ativos sustentáveis.  

A SFDR passou a vigorar em março de 2021, mas as dificuldades impostas pela norma só agora estão se tornando mais evidentes. A má notícia é que boa parte dos gestores de fundos europeus diz não ter dados suficientes para cumprir com a regra a contento. De acordo com a Morningstar, os fundos do Artigo 9 possuem atualmente cerca de 470 bilhões de euros de ativos sob gestão. 

Matérias relacionadas 

Short selling combina com ESG?

Proposta da SEC quer acabar com os nomes de fundos enganosos

BlackRock diminui pela metade apoio a propostas ambientais e sociais dos acionistas


Para continuar lendo, cadastre-se!
E ganhe acesso gratuito
a 3 conteúdos mensalmente.


Ou assine a partir de R$ 34,40/mês!
Você terá acesso permanente
e ilimitado ao portal, além de descontos
especiais em cursos e webinars.


Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o limite de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês.

Faça agora uma assinatura e tenha acesso ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais


Ja é assinante? Clique aqui

Acompanhe a newsletter

Leia também

mais
conteúdos

APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.