Inteligência artificial: o admirável novo saber
Geralmente rala e superficial, informação eletrônica induz ao não pensamento das respostas prontas, acima das nossas benditas dúvidas
inteligência artificial, Inteligência artificial: o admirável novo saber, Capital Aberto
Entre uma fraude contábil ali e um trabalho escravo acolá, o pessoal se agita em função de IAs conversacionais, sujeitas a erros, fakes e mensagens subliminares | Imagem: Freepik

Segundo um estudo recente, a maioria (64%) da Geração Z (nascidos entre 1995 e 2010) considera que o governo deve priorizar investimentos destinados à melhoria da educação.  


A Capital Aberto tem um curso online sobre capitalização de startups. Confira!


O filme A.I. – Inteligência Artificial (2001), de Steven Spielberg, foi um projeto de Stanley Kubrick, que repassou a ideia ao colega. Mesmo com enfoque adequado, resultou num trabalho surpreendentemente chato, considerando que as realizações de Spielberg, um mestre do cinemão de entretenimento (a exceção é A Lista de Schindler, de 1993), costumam ser vibrantes. 

O cinema saiu perdendo. Kubrick, com obra de orientação oposta à de Spielberg, provavelmente teria apresentado trabalho mais instigante para nossas reflexões. Afinal, no gênero, nada superou 2001 – Uma Odisseia no Espaço (1968). 

Duas décadas depois do filme de Spielberg, a expressão inteligência artificial passou a ser usada maciçamente, de forma já cansativa, anunciando que a ficção científica de ontem estaria se tornando a realidade de hoje. Tão chata quanto o filme. 

De qualquer forma, entre uma fraude contábil ali e um trabalho escravo acolá, o pessoal se agita em função da novidade — IAs conversacionais, sujeitos a erros, fakes, mensagens subliminares, marketing falsificado (redundância) — que promete ser vantajosa. Entretanto, pode reforçar uma prática antiga, aperfeiçoada no decorrer do século passado e que, curiosamente, produz os mesmos efeitos da IA futurista. 

Um filme em preto e branco dos anos 60 se tornou cult. Realizado no período da Guerra Fria, Sob o domínio do mal (1962), de John Frankenheimer, mostra o processo que se convencionou chamar de lavagem cerebral, geralmente atribuído às ideologias de esquerda, mas muito praticado por todas e até pela propaganda nossa de cada dia.  

Em 2004, esse trabalho foi refilmado, com Denzel Washington no lugar de Frank Sinatra e a Guerra do Iraque no lugar da Guerra da Coreia. 

São lavagens assim que, há muito, artificializam as inteligências naturais dos humanos. O fenômeno se acentuou nos últimos anos, potencializado pelas redes (ditas) sociais (outra denominação marqueteira), com toda a carga destrutiva que atinge as comunicações interpessoais.  

A informação eletrônica, geralmente rala e superficial, cria outro mundo de ilusões. A gente vê o raciocínio binário, ou seja, o não pensamento das respostas prontas e acima das nossas benditas dúvidas. O que seria simples ferramenta de apoio tornou-se evangelho do admirável novo saber.  

Tem de tudo, é só jogar na panela e saborear a indigestão. O confronto político, na maior parte, é tão absurdo e rasteiro, que neutraliza a argumentação. Para as crianças, há um repertório de games capaz de imobilizá-las durante as manhãs, tardes e noites, sem hora de recreio. 

Claro que existe material sério na internet, mas a maioria dos usuários não sabe nem pesquisar um google qualquer. Mesmo com dezenas de opções para a indagação, o cérebro frita e não encontra umazinha sequer. 

Vende-se (literalmente) a ideia da democratização do conhecimento. Besteira. Sem educação prévia, com professores(as) bem formados(as), remuneração decente e aulas presenciais, o que resta é o incremento da desigualdade. Desse jeito, a esperançosa Geração Z ainda acaba na panela de pressão. 

Trata-se de um modelo desvairado e binário: juros em alta, educação em baixa. Faz sentido. Nas sociedades distópicas, formar robôs humanos (profissionalizados) é essencial. As consequências não interessam porque o modelo é imediatista. Mas podem ser vistas, por exemplo, em Laranja Mecânica (1972), de Kubrick, sempre ele. 

Mas quem quer saber de velharias cinematográficas? Não estamos em tempo de gênios nem de criação. A safra é de vingadores velozes e furiosos, nas franquias da inteligência programada. 

*Carlos Augusto Junqueira de Siqueira é advogado. Atuou como superintendente da Comissão de Valores Mobiliários e é autor dos livros Fechamento do capital social e Transferência do controle acionário. 

Matérias relacionadas

A emergente guerra por protagonismo na inteligência artificial

Entre o êxtase do hype e a decisão certa

Por que um marco legal para a inteligência artificial?

Ainda com lacunas, regulamentação de IA caminha no Brasil


Para continuar lendo, cadastre-se!
E ganhe acesso gratuito
a 3 conteúdos mensalmente.


Ou assine a partir de R$ 34,40/mês!
Você terá acesso permanente
e ilimitado ao portal, além de descontos
especiais em cursos e webinars.


Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o limite de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês.

Faça agora uma assinatura e tenha acesso ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais


Ja é assinante? Clique aqui

mais
conteúdos

APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.