A participação decisiva dos ofídios na política 
Quando aparecem em lugares indevidos, as cobras são recolhidas e devolvidas às suas tocas. Mas, cuidado: elas nem sempre são visíveis e podem continuar perigosas
política, A participação decisiva dos ofídios na política , Capital Aberto
Para além das ficções cinematográficas e das metáforas na imprensa, as cobras reais podem participar decisivamente na política | Imagem: Freepik

Jon Voight (os mais novos talvez o conheçam apenas como pai de Angelina Jolie) é um ator de altos e baixos. Mostrou o lado Jekyll quando despontou fazendo o jovem rufião caipira em Perdidos na noite (1969) ou quando personificou o veterano de guerra paraplégico em Amargo regresso (1978), desempenho que lhe valeu o Oscar. 


A Capital Aberto tem um curso online sobre assembleia de acionistas. Saiba mais!


Foi um dos muitos atores que personificaram presidentes dos Estados Unidos (reais ou de ficção), no papel de Franklin Roosevelt em Pearl Harbor (2001). O filme é uma orgia de efeitos especiais, combinados com a história amorosa paralela — pastiche de Titanic (1997). Mas ele se destacou. 

Já o seu lado Hyde (embora, para G. K. Chesterton, seja o contrário, mas isso é outra história) foi exibido em vários trabalhos, como no caso de Anaconda (1997), uma daquelas barbaridades que surgiram na esteira de Tubarão (1975). 

A tal anaconda (uma sucuri amazônica) gigantesca engole Jon Voight inteirinho, mas, aparentemente, não gostou e teve alguma espécie de indigestão, pois devolveu a refeição. Então, o ator pisca um olho e desaba, encerrando sua participação nessa tragédia cinematográfica. 

Antecipando esses acontecimentos na tela (que me obriguei a assistir como cinéfilo inveterado), logo após o impeachment de Fernando Collor, em comentário que entrou direto para as antologias da crônica política brasileira, o jornalista Elio Gaspari escreveu: “Dessa vez, a jiboia não engoliu

Pois é assim. As jiboias escolhem o prato e, às vezes, devolvem. A convivência com elas é difícil, embora existam aqueles que as adotem como pets de estimação, para horror da vizinhança. Mas dizem que as jiboias, quando envelhecem, engolem qualquer coisa. 

Para além das ficções cinematográficas e das metáforas na imprensa, as cobras reais podem participar decisivamente na política. Nas eleições de 1974, aquelas em que a oposição elegeu 16 senadores (22 vagas na disputa) e ficaram como um marco da rejeição popular ao regime ditatorial (dando origem à famigerada Lei Falcão, que restringiu a propaganda política em rádio e TV), aconteceu um fato inusitado.  

Em Mato Grosso (ainda não dividido), o líder do MDB, Miguel Marcondes, foi picado por uma cobra em Ponta Porã, não resistiu e o partido acabou derrotado. Não fosse isso, a oposição poderia ter conquistado mais uma cadeira no Senado, aumentando o placar da vitória. 

O então presidente Ernesto Geisel entendeu o recado e, preparado que era, tanto na área militar quanto na vida civil, se convenceu de que a abertura política seria inevitável. Entre outras providências, antes de deixar o cargo ele revogou o AI-5 e iniciou o desmonte dos porões, aqueles por onde andava a jiboia usada em sessões de tortura, como aconteceu com a jornalista Miriam Leitão. 

Bem antes disso, na Segunda Guerra, a cobra (fumando) desempenhou papel nobre, como símbolo da Força Expedicionária Brasileira na luta vitoriosa contra os nazistas e fascistas. 

Há quase cem anos, em 1928, Mário de Andrade publicou Macunaíma, um livro que trata da formação do Brasil e pode ter várias interpretações (assim como O homem cordial, de Sérgio Buarque de Holanda). A história seria adaptada para o cinema em 1969 por Joaquim Pedro de Andrade — e Macunaíma, interpretado por dois atores inesquecíveis: Grande Otelo (negro) e Paulo José (branco). 

Em 1975, a Portela homenageou o personagem, fruto da imaginação e das pesquisas de Mário, no samba-enredo de David Correa e Norival Reis, com o refrão que o povo cantou entusiasmado: Macunaíma índio branco catimbeiro/Negro sonso feiticeiro/Mata a cobra e dá um nó.  

Hoje em dia, com as justas e necessárias preocupações ambientais, quando as cobras aparecem em lugares indevidos, são recolhidas e devolvidas às suas tocas naturais. Mas elas nem sempre são visíveis e continuam perigosas. É preciso ter cuidado. Feliz Ano Novo! 

* Carlos Augusto Junqueira de Siqueira é advogado. Atuou como superintendente da Comissão de Valores Mobiliários e é autor dos livros Fechamento do capital social e Transferência do controle acionário. 

 

Matérias relacionadas 

Avalanche bolsonarista: fato ou fake?

Paixões, amorosas ou políticas, atropelam as escolhas

As polarizações como um fato político


Para continuar lendo, cadastre-se!
E ganhe acesso gratuito
a 3 conteúdos mensalmente.


Ou assine a partir de R$ 34,40/mês!
Você terá acesso permanente
e ilimitado ao portal, além de descontos
especiais em cursos e webinars.


Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o limite de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês.

Faça agora uma assinatura e tenha acesso ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais


Ja é assinante? Clique aqui

mais
conteúdos

APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.