Gigantes do petróleo contra a parede

Pressões evidenciam necessidade de transição para modelos mais sustentáveis de negócios



O mês de maio de 2021 entrou para a história da política ambiental. Em um único dia, três gigantes petrolíferas — Shell, ExxonMobil e Chevron — sofreram derrotas diante de pressões governamentais e de conselhos para beneficiarem a causa climática e “esverdearem” suas operações. 

As decisões evidenciam o aumento da preocupação com questões climáticas e a pressão crescente da população, de investidores e de líderes governamentais para um futuro com energia mais limpa e renovável. A onda cresceu tanto que agora impacta — sem medo — empresas tradicionais do mercado. 

Redução de emissões 

O tribunal de Haia, na Holanda, decidiu a favor de ativistas do clima em ação contra a Shell. A sentença determinou que a empresa diminua em 45% suas emissões até 2030 para andar de acordo com o Acordo de Paris — um ritmo muito mais acelerado do que o planejado.  

Na ExxonMobil, os acionistas votaram a favor da substituição de parte do conselho atual (pelo menos dois membros) por diretores mais aptos a combater mudanças climáticas. A pauta foi proposta pelo Engine Nº 1, fundo de investimento criado com o propósito de criar valor de longo prazo gerando um impacto positivo e apoiada publicamente em nota pela BlackRock, uma das maiores gestoras de investimentos do mundo e o segundo maior acionista da empresa. 

Já na americana Chevron, 61% dos acionistas votaram a favor de uma proposta para que reduza substancialmente suas emissões relacionadas a produtos sob o escopo 3, que decorrem da atividade da empresa mas não são controladas por ela. Uma segunda proposta foi derrotada por muito pouco: foram 48% de votos a favor da ideia que exigia da companhia um relatório sobre seu impacto na emissão líquida dos gases de efeito estufa até 2050.


Confira outras colunas assinadas por Daniel Izzo aqui.


 Com a cadeia de energia em alta na agenda global, empresas desse setor, investidores e governos precisam pensar qual é a direção mais benéfica para a sociedade e, consequentemente, para o meio ambiente. Mesmo que nunca cheguemos a um consenso universal para essa questão, todos os caminhos estão apontando para o mesmo lugar: consciência da ação ambiental, para que não sigamos a um futuro de agravamento sem volta da crise. 

Alerta para setor de óleo e gás 

Essas notícias são um alerta para todo setor de óleo e gás, inclusive do Brasil, que precisa correr com a mudança para uma economia de baixo carbono. É isso ou terão — em breve — dificuldades no acesso a investimentos. Qual caminho devem seguir? Essa é uma pergunta que cada empresa terá que responder olhando para seu próprio negócio, mas se eu puder dar uma sugestão, indico que olhem para as diversas matrizes de energia renovável e invistam fortemente em inovação nessa área.  

Ações como as que colocaram as petroleiras contra a parede se tornarão cada vez mais comuns. Quanto mais a população se informar e souber dos riscos que a humanidade está correndo, maior será a cobrança sobre empresas, investidores e governos. E isso é bom não só para o planeta, mas também para as empresas.  

Quanto mais os negócios olharem para o futuro, mais sustentáveis eles serão e mais rentabilidade conseguirão no longo prazo. É claro que o caminho a trilhar é cheio de obstáculos, que exigirão concessões, inclusive relacionadas aos resultados. Mas é o único caminho possível. Não há lucro capaz de garantir a nossa sobrevivência. A vida será sempre prioridade. 


Daniel Izzo (daniel@voxcapital.com.br) é sócio-cofundador da Vox Capital

Leia também

Voto plural vira escudo para bigtechs

Modelo de capitalização da Eletrobras pode custar muito para o setor

Fintech dá golpe de jiu-jitsu na pauta ESG


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Quero me cadastrar!

Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui > 2

teste

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Petróleo e petroquímica ESG Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
A caixa-preta das empresas de rating ESG
Próxima matéria
Incide imposto de renda na transmissão de cotas de fundo fechado?



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.

Leia também
A caixa-preta das empresas de rating ESG
A Iosco anunciou a abertura de uma audiência pública sugerindo uma supervisão formal de empresas de rating ESG,...