Código de governança aumenta responsabilidade de conselheiros
Entre as propostas debatidas no Reino Unido está a necessidade de que membros do board atestem a eficácia dos controles internos e reportem qualquer fraqueza ou falha significativa
código de governança, Código de governança aumenta responsabilidade de conselheiros, Capital Aberto
Reforma acontece após escândalos em empresas como a varejista BHS, a construtora Carillion e a rede de cafeterias Patisserie Valerie | Imagem: Freepik

O código de governança corporativa do Reino Unido irá passar por uma reformulação, com o objetivo de aumentar a responsabilidade dos conselhos de administração pela acurácia dos balanços e inibir condutas inadequadas. As mudanças foram propostas pelo Financial Reporting Council (FRC), regulador responsável por estabelecer os padrões nas áreas de contabilidade e auditoria no Reino Unido.  


A Capital Aberto tem um curso online sobre transações entre partes relacionadas. Confira!


O código se aplica a empresas listadas no segmento premium da Bolsa de Londres, e os administradores podem optar por não cumprir as regras desde que expliquem suas razões. O não cumprimento, entretanto, não deve ser bem-visto pelos investidores e pelo governo. Em 2021, o governo do Reino Unido abriu uma consulta sobre uma possível reforma nos regimes de auditoria e governança corporativa do país, após escândalos em empresas como a varejista BHS, a construtora Carillion e a rede de cafeterias Patisserie Valerie. 

De acordo com o código de governança revisado, os conselheiros devem elaborar uma declaração atestando a eficácia dos controles internos de suas empresas e divulgar qualquer fraqueza ou falha significativa que encontrem neles. 

Outra novidade diz respeito à proposta do FRC de que as empresas divulguem, em seus relatórios anuais, as “circunstâncias mínimas” que podem disparar cláusulas de recuperação de remuneração (compensation clawback) pagas a conselheiros com base em demonstrações financeiras que contenham falhas graves. As empresas devem, ainda, informar se o dispositivo foi acionado no último exercício financeiro. Diante da proposta, a expectativa é de que as companhias passem a incluir tais disposições nos contratos de trabalho dos conselheiros. 

As revisões sugeridas no código estão abertas para consulta pública, e os participantes do mercado podem enviar seus comentários até a metade de setembro.  

Matérias relacionadas

Reflexões sobre a responsabilidade de administradores

Programas de compliance ganham novos — e complexos — desafios

O valor estratégico do comitê de auditoria


Para continuar lendo, cadastre-se!
E ganhe acesso gratuito
a 3 conteúdos mensalmente.


Ou assine a partir de R$ 34,40/mês!
Você terá acesso permanente
e ilimitado ao portal, além de descontos
especiais em cursos e webinars.


Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o limite de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês.

Faça agora uma assinatura e tenha acesso ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais


Ja é assinante? Clique aqui

mais
conteúdos

APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.