Por que avaliar os conselhos de administração?

Presença de celebridades nos boards reforça necessidade do debate sobre o tema da avaliação



Henrique Luz
Henrique Luz , CCA+, CCoAud+ e CCF IBGC, é membro independente de conselhos e membro do conselho de administração do IBGC | Ilustração: Julia Padula

Celebridades podem contribuir para a composição de conselhos de administração e neles atuar? É correto que um conselheiro sem carreira corporativa seja convidado a ser embaixador da empresa por meio de uma posição estatutária? Todas as formas de diversidade devem estar representadas em um board? Não seria indicado a uma celebridade integrar um comitê de assessoramento?  

Esses são alguns dos (muitos) questionamentos que temos visto nos últimos meses por conta do anúncio da chegada de celebridades a conselhos de administração ou comitês de assessoramento de empresas brasileiras. Tal qual um “instagrammer” que disponibiliza caixinha de perguntas em seus stories, me vi obrigado a refletir, a invocar maneiras didáticas de dialogar com quem usualmente não discute o tema e também a reafirmar a importância de práticas há muito defendidas (mesmo que nem sempre exercidas com a crença devida).  

Uma dessas práticas é a avaliação dos conselhos de administração. Obrigatória para a listagem no Novo Mercado da B3, assim como em outras bolsas de valores, como a NYSE, a avaliação orienta o processo de aprimoramento do conselho, tanto do ponto de vista estrutural — ao analisar aspectos como diversidade e conhecimentos oferecidos por cada integrante do colegiado —, como também sob a ótica das próprias dinâmicas de reuniões e processos de tomada de decisão.   

Solução para desafios 

A avaliação de conselhos é peça-chave para assegurar que o board contribua efetivamente para a preservação e a criação de valor — não só para a própria companhia, como também para transformá-la em solução para os desafios da sociedade. E tudo isso de forma alinhada aos papéis e responsabilidades do conselho, ao momento da organização, ao contexto regulatório e às demandas e expectativas dos stakeholders. 

Pesquisa realizada pelo ACI Institute e Board Leadership Center da KPMG indicou, já em 2016, que um processo formal e efetivo de avaliação é o mecanismo mais eficiente para se alcançar a combinação ideal de habilidades, experiências e perspectivas em conselhos de administração. Essa foi a opção mais selecionada tanto pela amostra global (87%) quanto pela amostra brasileira (95%) de participantes.  

Apesar da importância do tema, a avaliação de conselhos é vista ainda como um tabu pelas empresas e pouco divulgada ao mercado. Em abril de 2021, a EY publicou um estudo sobre o tema, analisando os dados de 360 companhias abertas por meio dos informes sobre o Código Brasileiro de Governança Corporativa: Companhias Abertas, e os resultados demonstram que, apesar da evolução dessa pauta, é baixo o percentual de empresas que tornam públicas as informações sobre avaliação de seus conselhos. Em 2020, 44% das empresas analisadas pela EY divulgaram a informação, ante 38% em 2019.  

Organismos complexos 

Conselhos de administração, assim como suas organizações, são organismos vivos, complexos e integrantes de um ecossistema em constante transformação. Em junho deste ano, o IBGC realizou seu encontro anual de conselheiros de administração convidando todos a um embarque para o futuro. Perguntados se os conselhos em que atuam estão preparados para desafios, 24% reconheceram a falta de preparo e outros 68% afirmaram estar preparados para o hoje, mas não para o amanhã. Quando o assunto foi mudanças climáticas, 78% afirmaram que atuam em conselhos parcialmente ou pouco preparados.  

Por isso, volto a dizer que a avaliação dos conselhos de administração deve entrar definitivamente na pauta — dos próprios conselheiros e também das demais partes interessadas. Quando debatemos se a celebridade A ou B poderia estar no conselho de administração, se tem as qualificações necessárias para o desempenho das atividades esperadas ou se oferece as contribuições diferentes e inovadoras almejadas, estamos falando também sobre avaliação. Esse é o mecanismo que responde às perguntas que iniciam este artigo e a muitas outras.  


Henrique Luz (henrique@henriqueluz.com.br), CCA+, CCoAud+ e CCF IBGC, é membro independente de conselhos e membro do conselho de administração do IBGC  

Leia também

Manifestos em defesa da democracia reforçam protagonismo da sociedade civil

Crise energética evidencia falta de investimento necessário para evitar mais uma década perdida

Os perigos da radicalização do cientificismo


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Quero me cadastrar!

Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui > 2

teste

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  conselho de administração Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Voto plural: valerá a pena adotar?
Próxima matéria
Voto plural enfim passa a valer no Brasil. E agora?



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.

Leia também
Voto plural: valerá a pena adotar?
Voto plural: valerá a pena adotar?  Patrocínio cdp Encontro Voto plural: valerá a pena adotar? O...