Ganhadores e perdedores no difícil 2020

Lista contempla chefes de Estado, setores da economia e muitas outras áreas



Crônica de Carlos Augusto Junqueira de Siqueira

Imagem: macrovector | Freepik

Há muito não faço listas de final de ano, como aquelas com propósitos para o novo período. No entanto, por conta da pandemia, tentei elaborar uma relação de ganhadores e perdedores no difícil ano de 2020. 

Entre os chefes de Estado, a vencedora é Jacinda Ardern, primeira-ministra da Nova Zelândia, e não só por causa da atuação na pandemia, mas pelo conjunto da obra no governo. Liderança e sensatez são artigos cada vez mais raros. 

O grande derrotado foi Donald Trump, que perdeu nas urnas, nas cortes estaduais e na Suprema Corte (em torno de 60 processos), no colégio eleitoral, na Câmara, no Senado e na batalha da comunicação, onde até foi apagado pelas redes (de televisão e sociais). Dizem que os americanos estão divididos, mas essa foi uma derrota coesa. 

Vejo explicações a respeito da derrota de Trump, mas pouco se fala sobre a ampla aliança costurada pelos democratasincluindo ex-presidentes e pré-candidatos no equivalente ao nosso primeiro turno, segundo o modelo adotado por lá. 

Por aqui, ao que tudo indica, nas eleições municipais a imprensa tradicional derrotou as redes sociais. 

Os vegetais, ainda que imunes à covid-19, sofreram ataques virulentos e não contaram com cordões sanitários adequados. O resultado foi devastador. 

A área da saúde pública ficou dividida. Na cúpula prevaleceram os negacionistas, sem suprimentos nem planos. Já os servidores de carreira saíram vencedores, combatendo a pandemia em todas as frentes, com instituições de qualidade e profissionais (aqueles que consomem as receitas públicas) assumindo os riscos exigidos pelo trabalho. Um dado importante a ser considerado na anunciada reforma administrativa. 

Quanto aos setores deconomia, aviação e turismo perderam. A indústria farmacêutica ganhou, funcionando a todo vapor. Já a bolsa de valores, na taquicardia, se saiu bem, de forma surpreendente. A dinâmica financeira tem seus próprios motores, nem sempre atrelados à lógica comum. Mas, como dizia o Ibrahim, olho vivo que cavalo não desce escada. 

O comércio eletrônico entra no topo da lista positiva. Certamente, depois do salário e do crediárioé a grande revolução na seara do escoamento da produção. Já utilizava os meios digitais para consumo de alguns poucos itens, como livros e discos. De repente, me vi obrigado a ampliar o leque, incluindo produtos que jamais imaginei comprar a distância. 

E é nos discos (vinil, preferencialmente) que descubro perdedores no ano da pandemia. São os instrumentistas, esses mágicos que embelezam e inspiram nossas vidas em qualquer lugar do planeta e em todos os ritmos. 

Pois não restaram alternativas para eles. Os músicos dependem de público em seus shows (teatros, casas noturnas, espaços livresbares, fundos de quintal) e o momento não permite aglomerações. As raves clandestinas (suicidas e homicidas) usam música eletrônica, sem pagamento de direitos autorais. 

Ouvir música é bem melhor do que escutar sandices a torto e a direito. As lives não suprem as necessidades dos músicos e é preciso apoiar essa classe realmente indispensável à qualidade de vida. A televisão pouco fez até agora. Será que nem na medíocre programação do final de semana na TV aberta há espaço? Afinal, não vai tão longe o tempo do Projeto Aquarius. 

No mais, deixo de comentar os ilusionistas e os iludidos de todos os setores. Perdem sempre, mas pensam que ganham. Com ou sem pandemia.


Carlos Augusto Junqueira de Siqueira é advogado 

 

Leia também

Ativos alternativos são opção em cenário de juros baixos

Alexandre Fialho: Brasil precisa superar radicalismos baseados em fake news

Há risco de uma nova (e devastadora) bolha financeira? 

Walter Pellecchia: a corrida pela vacina contra covid-19 continua


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Quero me cadastrar!

Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui > 2

teste

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  crônica 2020 Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Como se preparar para as assembleias digitais de 2021
Próxima matéria
Lições do caso Petrobras para administradores 



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.

Leia também
Como se preparar para as assembleias digitais de 2021
A introdução do modelo digital de assembleias gerais ordinárias de companhias abertas no Brasil — e também em outros...