Independência para inglês ver

Ex-presidente da CVM reforça a necessidade de as empresas buscarem conselheiros independentes que ajam como tal



Conselheiro independente
Por mais que essa figura tenha se tornado central nas discussões sobre a composição dos boards brasileiros, por aqui o debate sobre como ter conselheiros verdadeiramente independentes ainda se faz necessário — Imagem: freepik

Os códigos de governança corporativa recomendam que os conselhos de administração contem sempre com a presença de membros independentes. Para isso, estabelecem critérios objetivos e claros para a escolha desses profissionais. Ainda assim, a percepção do mercado é que as diretrizes não são suficientes. No LinkedIn, Leonardo Pereira, ex-presidente da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), observa que, por mais que essa figura tenha se tornado central nas discussões sobre a composição dos boards brasileiros, por aqui o debate sobre como ter conselheiros verdadeiramente independentes ainda se faz necessário.  

Sócio-diretor da consultoria Nictheroy Business, Compliance & Partnership, Bruno Cesar Paiva compartilha da visão de Pereira. “O Brasil criou uma jabuticaba: os conselheiros ‘independentes dependentes’, que evitam conflitos com acionistas e executivos para garantir a manutenção da cadeira ou futuras indicações”, afirma.

E os problemas relacionados ao assunto não param por aí. Membro independente dos conselhos de Vale, Klabin e brMalls, Mauro Rodrigues da Cunha destaca que de nada adianta a empresa ter conselheiros independentes se possui acordo de acionistas que prevê reuniões prévias. Nesses encontros, um grupo de sócios define previamente seus votos com relação a matérias que serão deliberadas em assembleia. “Nesses casos, o processo decisório se desloca para essas reuniões, e os independentes viram peças decorativas, sem contribuir com sua formação diferente para a melhoria das decisões”, ressalta. “Uma pena que muitos investidores não deem bola para isso, e a própria B3 admita nos segmentos especiais de listagem (Nível 2 e Novo Mercado) empresas que agem assim.”  

Muitas dessas companhias, por sinal, adotam um discurso que se choca com a prática. “O que mais me impressiona nesse tipo de empresa é que elas não têm o menor constrangimento de cantarem aos quatros ventos que são best in class em ESG [sigla, em inglês, para aspectos ambientais, sociais e de governança]”, comenta Geraldo Affonso Ferreira, membro independente dos conselhos fiscais da BrasilAgro e do Grupo Notre Dame. 

Diante desse cenário, Pereira considera que cada companhia deve refletir — e provocar discussões internas — sobre a melhor forma de assegurar um conselho de administração com postura independente. É importante, afirma, que isso seja feito levando-se em consideração não só o interesse dos acionistas. Afinal, a forma como uma empresa conduz a sua governança afeta todos os stakeholders.

Leia também

A relevância (enorme) do conselheiro de administração independente 

Por que o stewardship é tão pouco praticado no Brasil? 

Conselheiro “independente” não garante boa governança


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Quero me cadastrar!

Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui > 2

teste

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Governança Corporativa conselheiro independente Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Reforma do Imposto de Renda: o que muda para as holdings familiares com o PL 2337/21
Próxima matéria
Firmas globais de private equity são pouco inclusivas



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.

Leia também
Reforma do Imposto de Renda: o que muda para as holdings familiares com o PL 2337/21
Imagem: Freepik Aprovado no início de setembro pela Câmara dos Deputados, o projeto de reforma no Imposto de Renda...