Uma norma para as securitizadoras

Os planos do regulador de criar um arcabouço específico para esses participantes

Grupos de Discussão / Securitização e Negócios Imobiliários / Encontros
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


Patrocínio

As securitizadoras estão no radar da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Hoje sob o chapéu da Instrução 480/09, que dispõe sobre o registro de emissores de valores mobiliários, as securitizadoras podem ganhar um arcabouço regulatório próprio. A autarquia estuda essa iniciativa, diante da necessidade de especificar detalhadamente alguns deveres de conduta e obrigações desse participante, bem como de reavaliar sua permanência na Instrução 480 — afinal, quando há constituição de patrimônio separado para as emissões, as securitizadoras se assemelham muito mais a um administrador fiduciário de fundos do que a uma companhia aberta. O que as securitizadoras pensam dessa iniciativa? Quais deveres de conduta e obrigações a CVM considera acrescentar ou reforçar numa norma específica para as securitizadoras? Na visão de originadores e investidores, o que não pode faltar nesse arcabouço? Qual deve ser o papel das securitizadoras na cobrança de direitos creditórios inadimplidos? Essas e outras questões foram debatidas no Grupo de Discussão Securitização e Negócios Imobiliários.

Ficou curioso? Ouça a íntegra do encontro no Clube de Conhecimento!

Fotos: Régis Filho




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  CVM Securitização regulação securitizadoras Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Ética e CEOs
Próxima matéria
Reputação abalada



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Ética e CEOs
Por que mais executivos estão perdendo os empregos depois de escândalos e má conduta corporativa? Conselhos de administração,...