Índia e Suíça terão regras de governança mais rigorosas

Governança Corporativa/Internacional/Edição 126 / 1 de fevereiro de 2014
Por 


As empresas listadas na Índia e na Suíça vão enfrentar um 2014 cheio de mudanças. Em ambos os países, reformas de governança aprovadas ao longo dos últimos anos passaram a vigorar no mês passado.

No país europeu, as novidades afetam especialmente os executivos. A partir deste ano, eles não poderão mais receber pacotes de indenização, pagamentos adiantados ou bônus caso a companhia seja vendida ou haja transferência para outras unidades. Além disso, todas as empresas deverão adequar o seu sistema de eleição para membros do conselho e do comitê de remuneração; pelas novas regras, cada conselheiro será escolhido individualmente e para mandatos de somente um ano. Para completar, a partir de 2015, o “say on pay”, sistema em que os acionistas aprovam ou desaprovam o pacote de remuneração dos executivos na assembleia anual, não será mais consultivo — a companhia precisará acatar o desejo dos acionistas.

Na Índia, mudanças na governança das companhias são exigidas pelo Companies Act, conjunto de leis aprovado em agosto do ano passado. Ao longo de 2014, pelo menos 33% dos conselheiros de administração das companhias indianas terão que ser independentes. As que não possuem comitês de remuneração e nomeação de executivos deverão criá-los. Os conselheiros deixarão de ser considerados independentes após dez anos na companhia, e os boards precisarão ter, no mínimo, uma mulher. Conselheiros indicados por funcionários, credores ou investidores serão automaticamente considerados não independentes. Será implementado, ainda, um rodízio de firmas de auditoria a cada dez anos, e de sócios a cada cinco.

A consultoria de voto Glass Lewis declarou em seu blog que, se bem-sucedida, a reforma indiana colocará o país à frente de seus pares emergentes (Rússia, China e Brasil) no quesito governança.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  conselho de administração Say on pay Índia CAPITAL ABERTO mercado de capitais regulação Suíça Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Cadeia para manipuladores
Próxima matéria
Firmas de auditoria falham em seus trabalhos



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Cadeia para manipuladores
Os membros da União Europeia concordaram, no fim de 2013, em lançar uma proposta de lei que criminaliza o insider trading...