Tendências que os investidores devem acompanhar em 2022

Inflação verde, declínio populacional e crescimento do endividamento público são alguns tópicos que merecem atenção



Tendências que os investidores devem acompanhar em 2022
Imagem: freepik

Pelo segundo ano consecutivo, a pandemia de covid-19 remodelou as economias, acelerando transformações tanto necessárias quanto preocupantes. Em artigo publicado no Financial Times, o estrategista-chefe global do Morgan Stanley, Rushir Sharma, elencou tendências que podem impactar 2022 — e que os investidores devem acompanhar de perto.

Sharma destaca desde eventos específicos do mercado financeiro até questões macroeconômicas alimentadas pela pandemia. Em 2021, a aceleração do declínio populacional, por exemplo, tornou-se uma pauta urgente para 51 países, que veem suas forças de trabalho diminuírem. Nos anos 2000, essa era uma preocupação para apenas 17 nações. A China é um dos países que se encontra numa posição particularmente delicada nessa seara. O menor número de nascimentos no país, somado a uma população mais envelhecida e com maior expectativa de vida, pode fazer com que a força de trabalho na China não seja suficiente para sustentar as gerações mais velhas. Esse problema, já enfrentado por outras economias, pode deteriorar as perspectivas econômicas do gigante asiático e inflar os gastos do governo com previdência social.

E essa não é a única questão envolvendo a nação liderada por Xi Jinping que merece destaque. Na visão do estrategista do Morgan Stanley, é importante que os investidores acompanhem atentamente os passos da China no que diz respeito ao afrouxamento de seus laços comerciais com outros países — movimento que deve se aprofundar nos próximos anos com o aumento de sua autossuficiência. “A China pode ter atingido o seu auge em termos de motor de crescimento do mundo”, afirma Sharma. 

Outra tendência que deve ser observada com cautela é o crescimento do endividamento público. Sharma alerta que no último ano 25 países, entre eles China e Estados Unidos, alcançaram uma dívida 300% maior do que o PIB, por causa de injeções monetárias feitas para facilitar a concessão de crédito e estimular a economia. A questão é que esse movimento gerou um efeito colateral: o escoamento desse dinheiro para os mercados financeiro e de capitais, que registraram crescimento expressivo — o que não é necessariamente bom. Em diversos países, milhões de pessoas físicas abriram contas em corretoras e muitas pegaram dinheiro emprestado para comprar ações. “O problema é que essas ‘manias’ raramente duram”, comenta Sharma. Efêmeras também são as bolhas financeiras. Há sinais delas nos universos das criptomoedas, da energia limpa, das techs sem lucro e das Spacs (special purpose acquisition companies). E seus efeitos devem ser sentidos neste ano. “Depois que os preços caem, esses ativos raramente se recuperam”, comenta o estrategista.

Sharma também chama a atenção para o fenômeno do “greenflation” ou inflação verde, em português, provocado pela corrida contra o aquecimento global. Ele pode ser observado claramente no setor de metais mais sustentáveis. Nos últimos 12 meses, o preço do cobre subiu 26,5% e do alumínio, 41,8%. Segundo Sharma, esse encarecimento deve persistir neste ano.

Leia também

Retrospectiva 2021: revisite o que foi importante no mercado de capitais

Os investidores-âncora nas ofertas iniciais de ações

A guerra de narrativas da tributação de dividendos


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Quero me cadastrar!

Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui > 2

teste

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  China inflação crédito Covid Greenflation Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Informações sobre ESG no formulário de referência só a partir de 2023
Próxima matéria
Crescimento de ativos de longo prazo tende a desacelerar



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.

Leia também
Informações sobre ESG no formulário de referência só a partir de 2023
O timing dessa ação tem sido alvo de algumas ressalvas — Imagem: freepik De mudanças essenciais para a atuação...