Investimentos produtivos em queda no PIB é sinal de alerta para analistas ouvidos pela Capital Aberto
Veja o que dizem três especialistas sobre os dados da economia brasileira divulgados hoje pelo IBGE
Investimentos produtivos, Investimentos produtivos em queda no PIB é sinal de alerta para analistas ouvidos pela Capital Aberto, Capital Aberto

O PIB brasileiro, com variação de 0,1% no trimestre ante ao segundo, registrou o maior patamar da série histórica, iniciada em 1996. A alta ficou em 7,2% em relação ao nível pré-pandemia do quarto trimestre de 2019. Mas nem tudo é boa notícia para o mercado.  Especialistas como Lucas Farina, analista econômico da Genial Investimentos, e Vinicius Moura, economista e sócio da Matriz Capital, chamam atenção para o recuo na Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), de 2,5% ante ao trimestre anterior, com ajuste sazonal. A medida apura investimentos produtivos, como na construção civil e em ativos como máquinas e bens de capital, e, por isso, ajuda a prever os rumos da capacidade produtiva da economia. 

Confira os principais trechos das análises de Farina e Moura e também  análise de Darwin Dib, economista da Gauss Capital.

Genial Investimentos

Investimentos produtivos

“O que mais chamou a minha atenção nesse resultado do PIB do terceiro trimestre foi o movimento de continuidade da queda, tanto da formação bruta de capital fixo como da taxa de investimento e da taxa de poupança. Isso é um pouco preocupante, não em termos de crescimento ainda para este ano, mas em termos de crescimento futuro. Como sabemos, a taxa de investimento expressa na formação bruta de capital fixo é crucial para que a economia possa crescer de forma saudável no futuro. Então, a queda impõe aí um viés negativo para os trimestres à frente e para 2024.”

Aberturas

“Em termos das aberturas, olhando pelo lado da oferta, a gente viu uma perda de momento do setor agro, com recuo de 3 ,3 % na comparação trimestral, depois de um crescimento bem exuberante no primeiro trimestre e que respingou também no segundo trimestre deste ano. 

Pelo lado da indústria e dos serviços, a gente viu uma leve surpresa para cima, com os dois crescendo 0,6% na métrica trimestral, se mostrando também bem resiliente a uma economia que ainda vem sofrendo os impactos defasados de uma taxa de juros mais elevada (lembrando que a Selic permaneceu cerca de um ano, de agosto de 2022 a agosto de 2023, no patamar de 13 ,75%). Então, a gente deve também ver alguma desaceleração da indústria e principalmente dos serviços por conta disso e por conta de um efeito base mais elevado.”

Efeito Argentina

“As importações recuaram 2,1 % na esteira da desaceleração da economia. Mas as exportações cresceram 3%, na nossa opinião, ainda por conta do que podemos chamar de ‘efeito Argentina’. É que, nos últimos tempos, a Argentina vem implementando uma série de restrições às exportações, tanto em reação a preços como a quantidade. Carne, por exemplo, tinha um limite de quantidade. Isso beneficiou as exportações brasileiras. 

Mas o governo agora eleito prometeu acabar com esses limites. Então, nos próximos trimestres, a gente deve ter as exportações argentinas voltando a concorrer com as brasileiras, Isso deve colocar um viés baixista para o crescimento das exportações nos próximos trimestres.”

Lucas Farina, analista econômico da Genial Investimentos

Matriz Capital

Bens de capital

“Entre os setores que surpreenderam negativamente, temos a Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF). Houve uma queda significativa, indicando redução na produção interna de bens de capital e na construção, bem como na importação de bens de capital. Isso pode sugerir um possível desaquecimento nos investimentos, o que afeta a economia.”

Indústria de transformação

“A Indústria de transformação sofreu um declínio, especialmente em áreas como máquinas e equipamentos, produtos químicos, indústria automotiva e metalurgia. Isso pode indicar desafios específicos dentro desses setores.”

Último trimestre

“Para o próximo trimestre, acredito que o consumo das famílias pode desacelerar, refletindo em uma possível queda na atividade econômica entre outubro e dezembro. Primeiro, pela redução de estímulos do governo. Segundo, por uma condição econômica menos favorável com o aumento da inflação ainda mais caso ocorra um descontrole dos gastos do governo.”

Vinicius Moura, economista e sócio da Matriz Capital

Gauss Capital

Crescimento real

“O resultado divulgado hoje deve estimular as revisões do mercado para o crescimento real do PIB em 2023, pois, mesmo se o PIB permanecer estagnado no quarto trimestre, fecharemos o ano com um crescimento real na casa dos 3.0%.”

Rumo dos juros

“Dito isso, não acredito que o resultado deste terceiro trimestre vá alterar a trajetória de cortes da taxa Selic, tampouco a perspectiva de aceleração dos cortes para 75 bps a partir da segunda reunião do Copom de 2024 dada a necessidade de imprimir uma redução mais expressiva na taxa de juro real ex-ante.”

Darwin Dib – Economista da Gauss Capital

Leia mais:

Veja o que o mercado espera para dezembro e 2024


Para continuar lendo, cadastre-se!
E ganhe acesso gratuito
a 3 conteúdos mensalmente.


Ou assine a partir de R$ 34,40/mês!
Você terá acesso permanente
e ilimitado ao portal, além de descontos
especiais em cursos e webinars.


Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o limite de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês.

Faça agora uma assinatura e tenha acesso ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais


Ja é assinante? Clique aqui

mais
conteúdos

APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.