Investidores institucionais pedem reforço no reporte sobre ESG

Entre as demandas, informações mais detalhadas sobre gestão de pessoas e riscos climáticos



Investidores institucionais pedem reforço no reporte contábil ESG
Na avaliação do CII, persiste uma importante lacuna nas informações prestadas pelas empresas quanto a gestão de pessoas e riscos climáticos, mesmo que sejam explicações e detalhes apresentados em notas de rodapé nos relatórios de contabilidade | Imagem: katemangostar – freepik

A criação e o reforço de requerimentos de informações relacionadas a aspectos ESG nos reportes contábeis das companhias deveriam estar no topo das prioridades do Financial Accounting Standards Board (Fasb). É o que defende o Council of Institucional Ivestors (CII), entidade sem fins lucrativos que representa fundos pensão americanos.  

Provocado a contribuir com uma consulta promovida pelo Fasb — órgão independente que trabalha com o estabelecimento de diretrizes contábeis para empresas listadas e fechadas —, o CII chamou a atenção especificamente para os reportes referentes à gestão de capital humano (o desafiador aspecto “S” do ESG) e a ações corporativas contra as mudanças climáticas. Na avaliação do CII, apesar dos avanços recentes nessa agenda, persiste uma importante lacuna nas informações prestadas pelas empresas quanto a esses dois pontos, mesmo que sejam explicações e detalhes apresentados em notas de rodapé nos relatórios de contabilidade. 



Desagregação de reportes 

A iniciativa de consulta do Fasb parte da percepção de que os investidores exigem atualmente uma desagregação mais intensa dos reportes de ESG. Isso permitiria uma visão mais pormenorizada das atitudes e posicionamentos das companhias, e não simplesmente um panorama geral desses aspectos nas operações. O detalhamento de informações como custos de vendas e despesas administrativas e relacionadas ao capital humano também ajudaria o investidor a tomar decisões mais acertadas. Nessa perspectiva, o investimento das empresas na apresentação desses dados seria muito menor que os benefícios que o disclosure pode gerar. 

O próprio Fasb já havia tornado pública sua avaliação quanto à inadequação das informações que têm sido divulgadas pelas companhias no que concerne a riscos climáticos para as operações. Essa deficiência prejudica os investidores à medida que não deixa claro o valor justo da empresa, as estimativas de eventuais perdas futuras e, consequentemente, impede um valuation adequado. 

Leia também

Faltam métricas para family offices aderirem de fato ao ESG

Nyse cria modelo para listagem de empresas de ativos naturais

Greenwashing, uma questão intricada para os reguladores


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Quero me cadastrar!

Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui > 2

teste

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  ESG capital humano Crise climática Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Como funcionam os planos de incentivo de longo prazo
Próxima matéria
Um novo olhar sobre o MST



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.

Leia também
Como funcionam os planos de incentivo de longo prazo
Imagem: macrovector | Freepik Os planos de incentivo de longo prazo (ILP), quando alinhados com as características do setor...