Quem vai pagar o pato?

No contexto da pandemia, cresce debate em torno de suspensão e anistia de dívidas de países pobres

Colunistas/Bolsas e conjuntura / 8 de maio de 2020
Por 


Colunista Walter Pellecchia comenta o mercado de capitais a nível internacional

*Walter Pellecchia | Ilustração: Julia Padula

Enquanto a relação entre EUA e China continua a se deteriorar, com ataques de ambos os ladosboa parte do mundo se prepara para sair do lockdown. No entanto, acontecimentos recentes demonstram que a nova normalidade será recheada de desafios. 

Em um dia de caos, o barril de petróleo bruto para entrega futura foi negociado a preços negativos pela primeira vez na história em 20 de abril de 2020, chegando o índice WTI a -40,32 dólares. Embora estranho ao primeiro olhar, o valor negativo é de fácil compreensãoEm face de demandas minguantes e no limite da capacidade de estocagem, produtores americanos estavam literalmente pagando investidores para retirarem o produto de seus estoques. Obviamente situação era teratológica e logo o preço voltou ao lado positivo da curva. Mas esse é um claro termômetro de que a economia mundial está extremamente fragilizada. 

Conforme previsto, a crise na saúde — que, de certa forma, parece caminhar para o controle na maior parte do mundo, embora ainda não exista tratamento eficiente nem vacina contra o novo coronavírus  agora reverbera cada vez mais forte na economia. Assim como os indivíduos mais debilitados foram o principal alvo do vírus, as economias mais vulneráveis sentirão os efeitos mais nefastos da crise financeira. 

Em 15 de abril, o G20, grupo formado pelas 20 maiores economias globais, deliberou a suspensão, até o fim do ano (leia-semoratória), das dívidas de 77 países dentre os mais pobres do planeta, a maior parte africanos, e convidou credores privados e instituições multilaterais, como o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial, a fazerem o mesmo de forma voluntária. Segundo estimativa do Jubilee Debt Campaign (JDC), movimento mundial pelo fim da escravidão financeira, o congelamento de dívidas do G20 pode alcançar a cifra de 9,4 bilhões de dólares. Devedora de pelo menos 300 bilhões de dólares, nossa “hermana” Argentina não consta da lista e tenta sozinha obter junto aos seus credores a reestruturação de sua dívida externa, sob a ameaça de ter que dar o nono calote de sua história. 

Porém, a suspensão de dívidas corre o risco de não surtir efeitos, já que os credores ainda poderiam entrar com ações de cobrança nas cortes de Londres — vale destacar que as dívidas externas desses países são governadas na sua maioria por lei inglesa. Por esse motivo, o governo britânico está sofrendo grande pressão para aprovar legislação impeditiva, da mesma forma como fez em 2010. 

Há quem diga, incluindo o próprio JDC, que a suspensão de dívidas não é suficiente e que os credores deveriam na verdade cancelar dívidas. Nesse sentido, o FMI decidiu utilizar seus próprios recursos para pagar parte das dívidas de 25 países pobres — mais uma vez, a maioria africanos — que seriam devidas nos próximos seis meses.  

Embora tenha grande valor social, o cancelamento de dívidas não escapa das críticas. A medida pode dar uma ilusória carta branca a governantes inescrupulosos interessados em tomar mais dívidas tendo em mente uma futura anistia ou incentivá-los a não tomar precauções quanto a crises futurasAlém disso, a covid-19 não poupou ninguém: todos estão sofrendo economicamente, aí incluídoos países ricos e os demais credores  o Banco Central inglês, por exemplo, anunciou em 7 de maio que a economia britânica deve retroceder aproximadamente 30% somente no primeiro semestre de 2020. Por outro lado, há de se reconhecer que os países pobres praticamente tiveram influência zero na atual crise e merecem um olhar mais consciente. Fica a dúvida: quem vai pagar o pato? 


* Walter Pellecchia, advogado especialista em mercado financeiro, integrante do escritório Reed Smith LLP em Londres (wpneto@reedsmith.com). O texto reflete opiniões do autor e não deve ser considerado como consultoria de qualquer natureza. 


Leia também

O dia seguinte dos negócios pós-pandemia

Sinal fechado

Os desafios macroeconômicos da pandemia



Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Macroeconomia FMI anistia de dívidas Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Qual será o compromisso pós-coronavírus?
Próxima matéria
Fontes alternativas de liquidez em meio à pandemia



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Qual será o compromisso pós-coronavírus?
Ainda imerso em incertezas, surge um novo cenário econômico global, e com valores de humanidade despontando no horizonte....