Sinal fechado

Notas sobre um mundo apressado obrigado a parar

Bolsas e conjuntura/Crônica / 30 de abril de 2020
Por 


Imagem: Pixaby

Tomo emprestado o título da bela canção de Paulinho da Viola, falando de um mundo apressado que se apressou ainda mais e agora parou. Pensei também em Vamos com Calma, comédia de 1956, mas tempo está mais para o drama, embora não faltem momentos de chanchada nesses dias duros. 

Vejo muitas projeções sobre a pandemia e a economia. Não se abalem. Embora não sabendo o que vem por aí, continuam praticando o esporte. Ainda que não compreenda bem os meandros da teoria econômica nem seja versado nas ciências médicas, ouso afirmar que até o Merlin seria incapaz de fazer previsões, por mais bem intencionadas que fossem. 

O tempo de duração da pandemia os efeitos sobre a economia são incógnitas. Esqueçam, portanto, os prognósticos e torçam para que a pandemia passe (como todas passaram) e a economia se recupere (como sempre aconteceu). 

É de bom alvitre (perdoem) pensar nas boas coisas que o momento proporciona, como a convivência entre pais e filhos, uma oportunidade que nenhuma geração teve. Os pais trabalham fora e os filhos, nos tempos atuais, vão para a escola tão logo desmamados. Valorizem, porque isso não se repetirá tão cedo. 

A natureza respira e o bom senso não recomenda a reabertura geral, mesmo porque as pessoas estão precavidas, temerosas. Como reza a sabedoria popular, afobado come cru e de que adianta, aos defuntos, o emprego que, em grande parte, eles já não tinham em vida? 

Melhor aguardar cautelosamente, pensando na demanda reprimida que, mais dia, menos dia, será satisfeita, com churrascões regados a cerveja. Tudo no devido tempo. 

Tenho visto também comparações entre a Grande Depressão e os dias atuais. São cenários diferentes e, naqueles tempos, as viagens intercontinentais requeriam meses singrando os mares. Não existia internet, penicilina nem TV. Sendo uma época lenta (e, nesse particular, saudosa), qualquer recuperação, da saúde ou da economia, forçosamente seria vagarosa. 

Mas a Grande Depressão deixou lições. Juntamente com as pesadas sanções econômicas impostas à Alemanha no pós-guerra de 1914-18 (Keynes, que participava da Conferência de Paris, retirou-se em protesto), ela deu causa à miséria alemã e, por consequência, à crença num certo Adolf. 

Em 1929, o presidente americano era Hoover, cavalheiresco, mas apático. Roosevelt assumiu em 1932 — pegando a depressão no auge — e, com sua mente poderosa, complexa e estratégica, propôs o New Deal. Não entregou a execução do plano a um economista, mas a Harry Hopkins, assistente social, de saúde precária, que gastou a rodo e devolveu ao povo a esperança e a fé no sistema democrático. Logo depois, aqueles necessitados (como os severinos de João Cabral), socorridos pelo Estado, defenderiaa democracia na Segunda Guerra. 

Como era de se esperar, Hopkins foi massacrado pela imprensa e pelos políticos, mas FDR o manteve e, durante a guerra, ele seria homem de confiança do presidente. O país saiu do conflito como maior potência mundial. 

Aproveitem para refletir sobre modelos econômicos que, há anos, pouco têm servido à sociedade em seu todo. Milton Friedman, por exemplo, foi um eterno crítico do New Deal. 

Finalmente, recomendo a leitura de A Peste (Camus)As Vinhas da Ira (Steinbeck)Roosevelt e Hopkins (Sherwood) e O Alienista (Machado). Distraiam-se, precatem-se e mantenham fechadas as portas de casa. 


*Carlos Augusto Junqueira de Siqueira é advogado 


Leia também

Os desafios macroeconômicos da pandemia

Como a pandemia reverbera no mercado imobiliário 



Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Coronavírus Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Novos contornos para a desconsideração da personalidade jurídica
Próxima matéria
Os desafios macroeconômicos da pandemia



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Novos contornos para a desconsideração da personalidade jurídica
A desconsideração da personalidade jurídica foi um dos temas de maior destaque da Medida Provisória 881¹, convertida...