Os perigos da radicalização do cientificismo

Pontos de atenção na adesão desmedida a tecnologias como a inteligência artificial



Estamos vivendo uma onda de hipervalorização da ciência, que parece nos remeter ao cartesianismo — ou seja, mais do que uma utopia, trata-se de uma retrotopia (para citar o termo de Zygmunt Bauman) descabida. Não que a ciência não mereça ser enaltecida e explorada ao máximo. O problema é que há um equívoco enorme em se achar que o mundo é passível de ser entendido e vivenciado apenas sob as lentes da racionalidade científica. 

Várias são as evidências desse resgate inoportuno do cartesianismo para o mundo contemporâneo. Diversos debates atuais comprovam essa idolatria da racionalidade pura, carregando enorme superficialidade e se direcionando, inclusive, contra as próprias premissas científicas empírico-positivas. Neste artigo, porém, vou me ater ao recorte diretamente relacionado ao mundo dos negócios: a chamada AI, sigla em inglês para artificial intelligence (inteligência artificial, IA, em português). 

Ciência natural e ciência humana 

Mas antes vale refletirmos acerca de pontos comuns da superficialidade generalizada que leva a esse fetiche em relação à racionalidade. 

Como disse Ludwig Wittgenstein, um dos principais filósofos contemporâneos, “sentimos que, mesmo depois de serem respondidas todas as questões científicas possíveis, os problemas da vida permanecem completamente intactos”. A afirmação nos remete à espinha dorsal dessa superficialidade, já que muitos dos que conclamam o absolutismo científico desconhecem as diferenças entre a ciência natural e a ciência humana. A primeira, por sua concepção empírico-positiva, é preditiva, baseada em relações de causalidade entre os fenômenos. Já a segunda, por sua natureza hermenêutica ou interpretativa, não pretende predizer nada: quer apenas compreender, interpretar ações humanas e fatos socioculturais. 

Como consequência dessas diferenças de concepção, a ciência natural considera que só pode haver uma explicação para um mesmo fenômeno; a ciência humana, por seu turno, em função dos sujeitos que interagem e dos contexto mutantes, considera que pode haver diferentes tipos de explicações para um único fenômeno. 


Confira outras colunas de Alexandre Fialho aqui


Assim, a pluralidade da hermenêutica dialoga mais com o mundo contemporâneo do que o positivismo. Ocorre que o fetiche “retrotópico” hoje observado se alicerça no desconhecimento dessa dinâmica, na exaltação extremada da predição e do controle e — pior — cria uma hierarquia insciente em relação à ciência. 

O poder da dimensão não cognitiva 

Vale ainda destacar os achados científicos da neurociência, que já comprova que pensamos e decidimos muito mais apoiados em uma dimensão não cognitiva do que achamos (ou gostaríamos que fosse a realidade) e que essa dimensão não é irracional por ser não cognitiva — ao contrário, existe uma inteligência não cognitiva que é justamente o valor humano mais importante na comparação com as máquinas. Fica, então, a prova de que os racionalistas radicais na verdade fazem um desfavor à própria ciência, fazem uma anticiência. Ou seja, são inscientes. 

Abordados esses pontos, estamos prontos para falar da AI — num contexto de banalização e completa ignorância sobre o que é ciência, o que é racionalidade, o que é o pensar e decidir e o que é, por consequência, a própria AI. Essa tecnologia faz emergirem verdadeiros profetas da racionalidade extremada. Vide, por exemplo, a nova onda de “HR data driven”. Acredito que utilizar ao máximo dados e as ferramentas da ciência é fundamental. Entretanto, os principais dilemas relativos a pessoas e times são integrantes do campo das ciências naturais; com isso, o HR data driven é uma obrigação básica de todo HR e não um diferencial competitivo. 

O grande valor da humanidade 

A própria AI distingue entre o que a máquina consegue fazer sozinha (que seria justamente o campo da racionalidade pura) daquilo que a máquina precisa obter do humano, de seu julgamento, de sua interpretação e do seu “feeling” para poder criar uma inteligência superior. Essa relação corrobora os achados da neurociência quanto ao fato de a inteligência não cognitiva ser o grande valor da humanidade. É aquilo que Merleau-Ponty chama de senciente — um corpo que sente, uma inteligência corporal, em que o sentir se entrelaça com o raciocinar para criar o que de fato é a grande inteligência humana e que jamais uma máquina poderá superar. 

Cuidado, portanto, idólatras extremados da racionalidade. Afinal, fazer ciência com superficialidade é ficar no limbo da ignorância, é ser insciente, e, como costumo dizer, é na exaltação extremada da racionalidade que o homem encontra a própria insignificância. 


Alexandre Fialho ([email protected]) é sócio-fundador da Filosofia Organizacional, conselheiro de diversas empresas, mentor de grandes líderes e professor

Leia também

Pandemia expõe ataraxia de líderes 

Gustavo Franco: “O Brasil é o país da procrastinação”

Três novos modelos mentais para lideranças de vanguarda


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Quero me cadastrar!

Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui > 2

teste

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Obstáculos na tributação dos créditos de descarbonização, os CBios
Próxima matéria
Cresce quantidade de conselheiros com experiências profissionais variadas



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.




APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.

Leia também
Obstáculos na tributação dos créditos de descarbonização, os CBios
Ana Carolina da Silva Barbosa é advogada sênior da área tributária do Freitas Ferraz Advogados | Ilustração:...