A força do emprego no pós-pandemia
Recuperação foi mais rápida do que o esperado, mas previsões de economistas já indicam uma desaceleração à frente
Evandro Buccini
Evandro Buccini, é sócio e diretor de Renda Fixa e Multimercado da Rio Bravo Investimentos | Ilustração: Julia Padula

O crescimento do PIB brasileiro em 2022 será superior ao esperado no começo do ano. A pesquisa Focus, realizada pelo Banco Central com centenas de economistas, indicava uma projeção de 0,285% em janeiro e passou para 3,05% no início de dezembro. Houve impacto positivo da liberação de recursos públicos para as famílias, como o aumento dos pagamentos do Auxílio Brasil e do FGTS. Além disso, dois indicadores tiveram desempenho muito positivo: o crédito e o mercado de trabalho. Em abril, já falamos da resiliência do crédito bancário. Nesta coluna, vamos tratar da força do emprego mesmo após a rápida recuperação pós-pandemia. 


A Capital Aberto tem um curso online sobre estratégias de remuneração. Confira!


A taxa de desemprego divulgada pelo IBGE ficou em 8,3% nos três meses encerrados em outubro, índice 3,8 pontos percentuais menor do que um ano antes. Antes da pandemia de Covid-19, o emprego estava se recuperando, mas o desemprego estava próximo de 12%. Em poucos meses, subiu para quase 15%, com os fechamentos causados pela pandemia. A partir de 2021, entretanto, a queda foi veloz.  

A taxa de participação, percentual da população economicamente ativa que trabalha ou está procurando emprego, está em 62,4% (e ainda não voltou ao patamar de 2020). O mercado de trabalho informal concentrou boa parte dessa recuperação, mas a formalização está se recuperando: atinge 58% dos empregados — 2 pontos percentuais abaixo, porém, do registrado em fevereiro de 2020. 

Desemprego e inflação 

A recuperação foi mais rápida do que as expectativas dos economistas indicavam. Suscitou-se um debate a respeito da taxa de desemprego neutra, ou seja, aquela que não acelera a inflação. Sempre sujeita a incertezas inerentes aos modelos, essa taxa atualmente é estimada entre 9% e 10%. Quando está abaixo desse patamar — que é o caso atualmente — ela pressiona a inflação.  

Essa taxa neutra pode ser alterada por fatores estruturais como desemprego de longo prazo, poder de barganha dos empregados e sindicatos e tecnologias para ligar oferta e demanda. Mudanças estruturais advindas da reforma trabalhista podem ter promovido uma diminuição do desemprego de equilíbrio. Mas, ainda assim, a maioria dos economistas acredita que o mercado de trabalho está mais aquecido do que comporta a economia brasileira.  

A reforma trabalhista, aprovada em 2017, pode estar ajudando a recuperação do emprego. Os empregados por conta própria foram os que sofreram a menor queda na pandemia — e os que mais cresceram nos meses seguintes. 

A massa de rendimentos reais, que acumula todos os rendimentos advindos do trabalho, cresce 11,5% em relação a outubro de 2021. Já está 2,6% acima do nível pré pandemia com a rápida reabertura de vagas de emprego. Essa medida considera somente renda do trabalho e não inclui as transferências do governo para as famílias. Já o salário médio real está 2,3% abaixo do nível de fevereiro de 2020, devido à dificuldade de acompanhar a inflação elevada no final de 2021 e começo de 2022. 

Desaceleração à frente

Apesar da resiliência do emprego, que se reflete na força da economia, já existem sinais mostrando uma desaceleração à frente. O indicador antecedente do emprego da FGV já vinha recuando desde o começo do segundo semestre de 2022 — teve uma forte queda em novembro, de 6,7%. Houve declínio em todos os componentes: serviços, consumidor e indústria. O indicador diário calculado pelo Banco Itaú (IDAT) mostra uma desaceleração menos intensa, que se refletiria em população ocupada estável nos próximos meses, comparada a um crescimento mensal acima de 1% no segundo trimestre e de 0,3% nos últimos meses. Em termos setoriais, o destaque negativo é o comércio. 

A evolução do mercado de trabalho também nos traz informações para o cálculo da produtividade do trabalho no Brasil. Os dados do observatório da produtividade da FGV confirmam o que outras fontes já mostravam: o indicador está estagnado há muitos anos. A volatilidade gerada pela pandemia movimentou a estatística, mas, passado o período mais crítico, o diagnóstico permanece.  

O desafio da produtividade

No primeiro trimestre de 2012, a produtividade por hora trabalhada era de 8,4 reais — patamar que permaneceu até o final de 2021. Com a pandemia, chegou a 10,6 reais no segundo trimestre de 2020, mas recuou lentamente para 8,4 reais no segundo trimestre de 2022. O que parecia ser o início de um movimento positivo não se confirmou. O movimento aconteceu em praticamente todos os setores. A exceção continua sendo a agropecuária, em que ainda são registrados ganhos de produtividade.  

A recuperação do mercado de trabalho no Brasil pós-Covid foi mais rápida do que o esperado — e os resultados mais recentes continuam fortes. Os indicadores antecedentes, bem como as previsões dos economistas, mostram uma desaceleração à frente, mas sem aumentos relevantes do desemprego.  

Apesar de boas notícias no curto prazo, os desafios estruturais permanecem. A reforma trabalhista foi um importante primeiro passo após décadas sem novidades nesse campo. Os primeiros impactos parecem positivos, mas ainda difíceis de quantificar. Importante observar o efeito que ela terá na produtividade do trabalho no longo prazo. Com o crescimento menor da mão de obra, não haverá outro caminho para o avanço da economia que não seja o aumento da produtividade. 

*Evandro Buccini é sócio e diretor de renda fixa e multimercado da Rio Bravo. 

 

Matérias relacionadas 

Reforma trabalhista completa cinco anos cercada de polêmicas

“A grande renúncia”, mais uma sequela da pandemia

As consequências inflacionárias das rupturas provocadas pela pandemia


Para continuar lendo, cadastre-se!
E ganhe acesso gratuito
a 3 conteúdos mensalmente.


Ou assine a partir de R$ 34,40/mês!
Você terá acesso permanente
e ilimitado ao portal, além de descontos
especiais em cursos e webinars.


Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o limite de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês.

Faça agora uma assinatura e tenha acesso ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais


Ja é assinante? Clique aqui

mais
conteúdos

APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.