Não – O CEO cria condições para o trabalho sinérgico e conjunto do secretário

Antítese / Edição 136 / 1 de dezembro de 2014
Por 


As organizações têm focado a governança corporativa. Começam a se estruturar e a adotar práticas e procedimentos que demandam profissionais treinados, com bom trânsito na empresa, além de conhecimento e habilidades próprios para o inter-relacionamento entre a administração, a fiscalização e o corpo gerencial. O crescimento das corporações de estrutura complexa e expressiva culmina na necessidade do alinhamento dos procedimentos de governança entre a holding e suas empresas.

O secretário de governança (SG) atua em todo o sistema de governança corporativa — não somente no conselho de administração, tradicionalmente relacionado à função, mas, ainda, no conselho fiscal, na diretoria, nos conselhos consultivos ou de família, nos comitês e nas assembleias. Nessa perspectiva, ele precisa de facilidade e rapidez para disseminar as práticas de governança, avaliando o conjunto e sugerindo ajustes. Deve, ainda, ser independente, seguro e interativo, para desempenhar suas funções de modo objetivo e equânime, com eficiência e eficácia junto aos agentes do sistema.

Um dos fatores que pode limitar o ofício é a definição de a quem o secretário se reportará com independência e isenção. Não existe consenso sobre o tema. Há um verdadeiro divisor de opiniões: em muitas companhias, ele se subordina ao presidente do conselho de administração; em outras, a submissão ao diretor-presidente pode ser desejável.

Os benefícios de organizar e centralizar essa atividade na figura do CEO são óbvios e permitem que as informações fluam sem sobressaltos nem conflitos de agendas e sobreposições. O diretor-presidente representa o maior responsável pela gestão e pelo funcionamento do dia a dia da organização. Lida com toda a hierarquia, gerenciando as participações cruzadas de conselheiros e executivos, e é o indivíduo de maior capacidade dentro da empresa para articular recursos com vistas a alcançar os fins definidos. Por isso, confere ao SG legitimidade e proximidade com agentes externos (conselhos de administração e fiscal e acionistas) e internos (diretores e gerentes), e lhe possibilita o acesso harmônico e ágil às diversas instâncias de interação.

Nesse processo, por estar diariamente no centro de todas as atividades, tem facilidade de criar condições para o trabalho sinérgico e conjunto do secretário, que coordenará múltiplos atores dentro da organização, buscando manter coerência e alinhamento. O patrocínio do presidente implicará o reconhecimento mais rápido e sólido de seus subordinados ao papel do profissional de governança. Viabilizará, inclusive, celeridade no processo de disponibilização de informações solicitadas por conselheiros ou diretores, garantindo ao secretário o papel de ligação entre os conselhos de administração e fiscal e os gestores do grupo.

Independentemente da posição na hierarquia, fator preponderante para o bom desempenho do SG é a postura ética, que consolidará sua autonomia e o reconhecimento de sua credibilidade perante todo o sistema de governança empresarial. Um bom monitoramento das ações desse profissional pelos órgãos da administração, bem como a avaliação periódica de sua atuação, poderão inviabilizar possíveis limitações, constrangimentos profissionais ou restrições a sua independência.


Dê a sua opinião:
[poll id=”18″]


Quer continuar lendo?

Você já leu {{limit_offline}} conteúdo(s). Gostaria de ler mais {{limit_online}} gratuitamente?
Faça um cadastro!

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
De volta ao jogo (Fibria)
Próxima matéria
Sim - O vínculo direto é fundamental para a autonomia e a performance da secretaria




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
De volta ao jogo (Fibria)
A produtora de celulose Fibria pode considerar o ano de 2014 um divisor de águas. Desde que surgiu, em 2009, da união entre...