CVM adverte companhia por não realizar OPA por aumento de participação

Decisão do colegiado, em caso que envolveu a Lajeado Energia e a Investco, foi unânime

Captação de recursos/Pinheiro Neto | Jurisprudência / 29 de novembro de 2019
Por  e    /    Versão para impressão Versão para impressão


Arte: Pinheiro Neto Advogados

Em decisão unânime proferida em 29 de outubro de 2019 no âmbito de processo administrativo sancionador (PAS)1, o colegiado da CVM impôs pena de advertência à Lajeado Energia S.A. pela não realização de oferta pública de aquisição de ações (OPA) da Investco S.A. por aumento de participação. Houve, segundo o colegiado, descumprimento do § 6º do art. 4º da Lei 6.404/76 (Lei das S.As.) e do art. 26 da Instrução 361, o que é considerado infração grave pelo art. 36 da mesma Instrução.

O PAS foi instaurado pela Superintendência de Registro de Valores Mobiliários (SRE) a partir de reclamação de acionistas da Investco. Eles alegaram que aquisições de ações preferenciais de emissão da companhia feitas pela Lajeado (que comprou ações preferenciais PNA e PNB em 2007 e 2008) e, posteriormente, pela EDP Energias do Brasil S.A. e pelas companhias signatárias de acordo de acionistas da Investco2 (que adquiriram ações PNA e PNB no mercado, bem como ações PNC por subscrição e integralização de ações em aumento de capital, em 2008 e 2009) deveriam ter ensejado OPA por aumento de participação destinada a todas as classes de ações preferenciais da companhia.

A SRE, inicialmente, reconheceu que o fato de as investigadas serem signatárias de acordo de acionistas da Investco com cláusula de acordo de voto à época era suficiente para que fossem tratadas como partes vinculadas, para fins da Instrução 361.

Afastando o pleito dos reclamantes de que a OPA deveria ter sido formulada para todas as classes de ações preferenciais, a área técnica decidiu que a OPA por aumento de participação para ações PNA teria sido ensejada pela aquisição de ações dessa classe pela Lajeado no primeiro trimestre de 2008. Concluiu também que a OPA por aumento de participação referente às ações PNB teria sido ensejada por aquisições da totalidade das ações dessa classe por Lajeado, EDP Lajeado e Paulista Lajeado ao longo de 2008 e sem realização de OPA. Por esse motivo, verificou-se a impossibilidade de realização de OPA por aumento de participação para as ações PNB.

A SRE, por outro lado, consistentemente com outros precedentes, afastou o argumento de que seria devida OPA por aumento de participação quando o controlador ou pessoa a ele vinculada exercer direito de subscrição de ações em aumento de capital da controlada, inclusive de sobras — pelo que, nesse caso, não se aplicaria a OPA por aumento de participação reclamada para as ações preferenciais PNC. Por fim, sustentou que a infração apontada não deixou de existir nem perdeu sentido por formulação superveniente de OPA por aumento de participação das ações PNA, e que não restou prejudicada a infração diante da impossibilidade de realização de OPA para as ações PNB. Isso tudo considerado, a SRE decidiu que Lajeado, EDP Lajeado e Paulista Lajeado3 deveriam responder pela inobservância do § 6º da Lei das S.A. e do art. 26 da Instrução 361.

Interessante notar que a Investco, embora companhia aberta, nunca tivera suas ações listadas em bolsa de valores ou em mercado de balcão organizado. A propósito, após o colegiado da CVM ter indeferido recurso e pedido de reconsideração das acusadas, a Lajeado formulou OPA por aumento de participação destinada às ações preferenciais PNA da Investco, que teve apenas dois acionistas como destinatários, e nenhum deles manifestou interesse em aderir à oferta. A esse respeito, tanto a área técnica quanto o colegiado da CVM afastaram os argumentos apresentados por EDP e Lajeado de que a ausência de liquidez das ações deveria afastar a incidência das normas sobre a necessidade de realização de OPA por aumento de participação. Reiteraram, em suas decisões, o entendimento de que deve ser objetiva a análise do critério disposto no art. 26 da Instrução 361, não cabendo juízo sobre o grau de liquidez das ações em circulação da companhia.

O julgamento do colegiado da CVM sobre o PAS em outubro de 2019 focou, então, nas consequências da realização superveniente — e intempestiva — da OPA por aumento de participação vis-à-vis a responsabilidade da Lajeado pelas referidas infrações.

Após analisar o caso, o diretor relator Carlos Rebello ponderou que as referidas normas devem ser aplicadas tendo em vista sua finalidade e as circunstâncias do caso concreto. Registrou que elas objetivam mitigar os efeitos deletérios da redução da liquidez das ações remanescentes após o limite do percentual de ações em circulação ser ultrapassado. Entretanto, na inexistência desses prejuízos, ou quando de seu ressarcimento, a adequação desse limite mereceria reflexão em face dos propósitos da atuação sancionadora da CVM.

Concluiu, assim, ser inadequado e não razoável punir uma companhia que não formule OPA por aumento de participação (por infração ao § 6º do art. 4º da Lei das S.A. e ao art. 26 da Instrução 361) quando já tiver havido cumprimento superveniente da obrigação imposta por essas normas e não tiver havido impedimento de liquidez ou prejuízo para os acionistas remanescentes.

Sobre o caso concreto, Rebello ponderou que a conduta irregular da Lajeado teria sido sanada pela realização posterior da OPA e que a ausência de liquidez das ações preferenciais da companhia desde antes do fato gerador da OPA, bem como a não adesão dos destinatários da OPA formulada pela Lajeado, seriam indícios da ausência de prejuízo a esses minoritários.

Votou pela responsabilização da Lajeado por sua omissão, ao não formular a OPA por aumento de participação, notadamente por não terem sido demonstradas a inexistência de prejuízo aos acionistas da Investco que venderam suas ações após a Lajeado ter ultrapassado os limites legais, mas antes da OPA (ou, no caso dos detentores de PNB, justamente por essas aquisições terem tornado inviável a realização de OPA para essa classe); e pelas providências tomadas para seu eventual ressarcimento. Considerou como atenuantes a favor da acusada o fato de que a demora da OPA se deu pela pendência de julgamento de recurso contra decisão da SRE e, ainda, a posterior realização da OPA propriamente dita.

Acompanhando o voto do diretor relator Carlos Rebello, o colegiado da CVM decidiu, por unanimidade4, pela condenação da Lajeado à advertência pela acusação formulada.

A diretora Flávia Perlingeiro concordou com a penalidade aplicada pelo relator por causa das circunstâncias atenuantes do caso, em especial a ausência de impacto significativo no mercado de valores mobiliários; os bons antecedentes da acusada; e a posterior realização da OPA. Porém, a diretora divergiu da argumentação do relator de que a realização posterior da OPA por aumento de participação poderia ter efeito saneador, repercutindo como se a infração não tivesse existido, tendo sido acompanhada pelo diretor Henrique Machado em sua manifestação.


Por João Marcelo Pacheco (jmpacheco@pn.com.br), sócio; e Rodrigo Moreira (rmoreira@pn.com.br), associado sênior de Pinheiro Neto Advogados


[1]CVM RJ2016/773 (SEI nº 19957.000710/2016-34)

2A reclamação original foi tratada no Processo RJ2011/1770, envolvendo, além da Lajeado, também EDP Energias do Brasil S.A., EDP Lajeado Energia S.A. e Paulista Lajeado S.A.

3Posteriormente, a SRE concluiu que EDP Lajeado (incorporada pela Lajeado) e Paulista Lajeado não poderiam ser acusadas dessas infrações, dado que o § 6º do art. 26 da Instrução 361 apenas entrou em vigor após as negociações de ações relevantes para os processos.

4O presidente Marcelo Barbosa e o diretor Gustavo Gonzalez não participaram do julgamento.


Leia também

CVM rejeita termo de compromisso em caso Qualicorp

Acatado recurso em caso envolvendo pedido de análise reservada

CVM condena investidor por manipulação de mercado em caso de layering


Gostou do artigo?

Cadastre-se e não perca nenhum texto deste canal.
Receba por e-mail um aviso sempre que um novo texto for publicado.



Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  CVM OPA aumento de participação Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Curso Melhores práticas em gestão de recursos [Próxima turma]
Próxima matéria
O perigo do purpose washing



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Curso Melhores práticas em gestão de recursos [Próxima turma]
O curso foi realizado nos dias 27, 28, 29 e 30 de julho de 2020. Preencha o formulário abaixo para ser informado sobre...