Siemens paga multa bilionária por escâdalo de corrupção

Governança Corporativa / Governança / Temas / Edição 65 / 1 de janeiro de 2009
Por 


A Siemens, maior empresa de engenharia da Europa, concordou em pagar cerca de US$ 800 milhões nos Estados Unidos e US$ 540 milhões na Alemanha para arquivar um caso de corrupção envolvendo agentes públicos em países em desenvolvimento para obtenção de contratos. Segundo a agência Bloomberg, os promotores acusaram a Siemens de desembolsar em torno de US$ 1,4 bilhão em propinas durante anos para funcionários e políticos de diversos países, inclusive negociações de contratos de transporte na Venezuela, redes de telefonia celular em Bangladesh, plantas de energia em Israel e sistemas de controle de tráfico na Rússia, dentre outros. Com o acordo assinado em 15 de dezembro, a empresa não irá a julgamento. De acordo com o press release da companhia, os promotores aceitaram o pagamento de multas por falhas na supervisão das operações da empresa. Porém, as investigações contra os antigos membros do conselho executivo e outros funcionários permanecerão inalteradas.

O escândalo das propinas, divulgado em novembro de 2006, levou a investigações em mais de dez países. O novo CEO da companhia, Peter Loescher, contratado em julho de 2007 com o objetivo de resolver o problema, já havia separado 1 bilhão de euros para cobrir as eventuais despesas com multas nos EUA e Alemanha. Além disso, Loescher substituiu metade dos 100 principais executivos da companhia e contratou um renomado escritório de advocacia de Nova York para realizar a maior investigação privada desse tipo já registrada — a um custo de US$ 280 milhões para os acionistas da companhia.

A especialista Ellen Podgor, em entrevista à revista The Economist, declarou que a Siemens contratou voluntariamente o escritório não tanto para minimizar as multas, mas, principalmente, para obter alguma leniência dos promotores. Dessa forma, esperava evitar ser proibida de realizar negócios com o governo norte-americano. No acumulado de 2008 até 15 de dezembro, a empresa havia perdido 55% do valor de mercado, que passou a US$ 61 bilhões.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a algumas reportagens.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  mercado internacional Governança Corporativa Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Codim quer mais transparência sobre remuneração
Próxima matéria
Brasileiras resistem aos ADRs não patrocinados




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Codim quer mais transparência sobre remuneração
O Comitê de Orientação para Divulgação de Informações ao Mercado (Codim) começa o ano com a preparação de dois...