Minoritários disputam assentos no conselho fiscal da Petrobras

Seletas / Relações com Investidores / Reportagem / Edição 74 / 13 de abril de 2017
Por 


Ilustração: Rodrigo Auada

Ilustração: Rodrigo Auada

No próximo dia 27, os acionistas minoritários da Petrobras decidirão a nova composição do conselho fiscal. O órgão será composto por cinco executivos. Três foram apontados pela União, controladora da companhia: Adriano Pereira de Paula, Marisete Fátima Dalad Pereira e Luiz Augusto Fraga Navarro de Britto Filho. Os outros dois assentos, destinados aos minoritários donos de ONs e de PNs, serão disputados, pela primeira vez, por duas chapas cada.

O Banco Clássico, veículo de investimento de José Abdalla Filho, lidera uma delas e propõe a manutenção dos atuais conselheiros. O analista Reginaldo Ferreira Alexandre ocupa a vaga destinada aos ordinaristas e o advogado Walter Albertoni, o assento dedicado aos preferencialistas. Já a outra chapa é encabeçada pelos conselheiros Guilherme Affonso Ferreira e Marcelo Mesquita. Os executivos, que também são minoritários — Ferreira investe por meio da Bahema Participações e Mesquita é sócio da Leblon Equities — fizeram valer seus direitos de acionistas e indicaram o economista Francisco Vidal Luna (para a vaga dos ordinaristas) e a analista Sonia Villalobos (para a vaga dos preferencialistas).

A concorrência é considerada uma evolução do ativismo na Petrobras. Deixa para trás o período em que os minoritários se juntavam em chapa única para desbravar os postos que a Lei das S.As. lhes reserva. “A beleza do negócio está na disputa. É saudável que o investidor possa escolher entre propostas alternativas”, diz Mesquita.

De acordo com ele, a chapa que propôs junto com Ferreira não é uma resposta à atuação dos conselheiros que concorrem à reeleição. Em 2016, Alexandre e Albertoni votaram contra a aprovação da demonstração financeira referente a 2015 e criticaram decisões da companhia — entre elas, a adoção do hedge accounting, atualmente sob análise da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). “Não é uma reação. Queremos renovação, novos olhares que possam contribuir para a evolução das demonstrações financeiras”, esclarece Mesquita.


Quer continuar lendo?

Você já leu {{limit_offline}} conteúdo(s). Gostaria de ler mais {{limit_online}} gratuitamente?
Faça um cadastro!

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Petrobras Conselho fiscal Minoritários concorrência disputa Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Novo relatório do auditor reforça transparência
Próxima matéria
CVM acusa sete ex-executivos da Petrobras com base na Lei das S.As.




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Novo relatório do auditor reforça transparência
Os relatórios dos auditores independentes que serão publicados a partir de 2017 devem chegar ao mercado com relevantes...