SEC quer limitar valor pago a delatores

Iniciativa ocorre após pagamento recorde de 83 milhões de dólares

Legislação e Regulamentação / Internacional / 6 de julho de 2018
Por 


Ilustração: Rodrigo Auada

Após delatarem fraudes no Merrill Lynch que levaram o banco a firmar acordo de 415 milhões de dólares com a Securities and Exchange Commission (SEC), três pessoas receberam juntas um prêmio de 83 milhões de dólares, em março deste ano. O valor foi o maior já pago pela SEC desde 2012, quando iniciou seu programa de delação. Mas esse pode ter sido o último pagamento vultoso feito pelo regulador.

No fim de junho, os diretores da SEC decidiram, por três votos a dois, apresentar uma proposta para limitar o prêmio pago a delatores. Atualmente, o regulador leva em consideração fatores como a consistência da informação recebida para determinar o pagamento, que pode variar entre 10% e 30% do montante coletado com multas superiores a 1 milhão de dólares. De acordo com a proposta dos diretores, punições acima de 100 milhões de dólares renderiam aos delatores prêmios de, no máximo, 30 milhões de dólares.

Quem se opõe à medida argumenta que não há limites de valor aos prêmios pagos por delatores de fraudes fiscais, por exemplo. Além disso, essa mudança poderia desincentivar potenciais denúncias — afinal, muitos delatores são bem remunerados nas instituições em que trabalham e podem achar que não vale a pena arriscar a carreira por “pouca coisa”.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Merrill Lynch delação premiada delação prêmio leniência Securities and Exchange Commission (SEC) Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Helbor sofre com distratos no mercado de imóveis de alto padrão
Próxima matéria
Governo dá aval a acordo entre Boeing e Embraer



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Helbor sofre com distratos no mercado de imóveis de alto padrão
A história quase sempre se repete nos ciclos econômicos. Depois de uma recessão, as pessoas aproveitam a melhora para...