“Falta um código de fusões e aquisições”

ANTONIO GLEDSON DE CARVALHO

Especial/Governança Corporativa/Reportagens/Edições/10 anos de Novo Mercado/Temas / 1 de abril de 2012
Por 


Quando foi chamado para integrar o grupo de trabalho coordenado por José Roberto Mendonça de Barros, o economista e então professor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP Antonio Gledson de Carvalho tinha acabado de retornar dos Estados Unidos, onde concluiu seu doutorado na Universidade de Illinois. Nessa temporada de estudos, um relatório do renomado professor de finanças Rafael La Porta, intitulado Corporate Ownership Around the World, fisgou sua atenção. O trabalho mostrava que o desenvolvimento do mercado de capitais norte-americano não era fruto somente da sua vocação liberal, como alguns acreditavam, mas também da ótima proteção concedida aos acionistas minoritários. “No Brasil, a proteção era baixíssima”, ressalta Carvalho. Em 1998, o acadêmico havia conduzido um estudo para a Bovespa sobre os esforços das bolsas mundiais para aprimorar seus padrões de governança. Foi nessa época que conheceu o Neuer Markt, um segmento de listagem criado pela Bolsa de Frankfurt para acolher as empresas de tecnologia que emergiam com o boom da internet. O segmento exigia, por exemplo, que as companhias nele listadas divulgassem trimestralmente seus balanços conforme os padrões norte-americanos ou os internacionais e que possuíssem um market maker para suas ações. A ideia de segmentar empresas no pregão serviu de inspiração para a Bovespa lançar o Novo Mercado. Na opinião de Carvalho, um dos principais desafios para o Novo Mercado atualmente é a adoção de um código de fusões e aquisições. “O tag along só funciona bem se o código existir”, salienta o economista. Em 2010, a BM&FBovespa encomendou a produção de um código que esmiuçasse o tema ao advogado Nelson Eizirik. A primeira versão foi entregue, mas ainda não entrou em vigor.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  bolsa de valores Governança Corporativa Novo Mercado Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
A governança corporativa nas companhias abertas
Próxima matéria
"Latino–americanas poderiam se listar no segmento"



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
A governança corporativa nas companhias abertas