Proteção restrita

Corte dos EUA decide que empregados que delatam companhias de capital fechado não estão resguardados pela SOX

Legislação e Regulamentação/Internacional / 15 de julho de 2017
Por 


Ilustração: Rodrigo Auada

Ilustração: Rodrigo Auada

A Suprema Corte dos Estados Unidos decidiu que funcionários de empresas que prestam serviços financeiros, consultoria de contabilidade ou de auditoria (CPAs, na sigla em inglês) para outras companhias não estão protegidos contra retaliações de seus empregadores após denunciarem às autoridades más condutas envolvendo empresas de capital fechado.

No caso Reyher versus Grant Thornton, LLP, a funcionária Ann Marie Reyher processou a auditoria por ter sido demitida após denunciar supostas irregularidades contábeis cometidas pela firma em matérias fiscais de alguns clientes com capital fechado. A Grant Thornton alegou que não afastou a funcionária por esse motivo, mas sim porque ela não mostrava interesse em trabalhar na empresa e não se encaixava na sua cultura — ela seria muito “disruptiva”.

Reyer levou o caso a uma corte da Pensilvânia que, no último dia 6, deu ganho de causa à Grant Thornton. O juiz não concordou com a defesa de Reyer de que ela estaria protegida pelo parágrafo 1514A da Lei Sarbanes-Oxley (SOX). Embora ele proíba retaliações a funcionários de companhias abertas ou CPAs que forneçam evidência de fraude, o juiz observou que o dispositivo tem aplicação restrita: só protege o delator automaticamente se houver uma relação direta entre as denúncias feitas e os serviços prestados a clientes de capital aberto — o que não era o caso de Reyes. A limitação é necessária para evitar que a proteção concedida pela SOX se aplique a empregados de centenas de milhares de empresas privadas.

 


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Internacional Contabilidade Grant Thornton Suprema Corte Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
A “caixa preta” das assembleias gerais
Próxima matéria
Deliberação 772/17



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
A “caixa preta” das assembleias gerais
São hercúleas as tarefas que se colocam diante de um acionista disposto a fazer ativismo assemblear. Além do custo...