Pacote anticorrupção cria parâmetros para avaliar programas de compliance

Governança Corporativa/Seletas/Edição 140 / 1 de abril de 2015
Por 


pacote-anticorrupcaoO governo federal publicou, em 19 de março, o Decreto 8.420. O dispositivo regulamenta a Lei Anticorrupção, que, apesar de estar em vigor desde o ano passado, carecia de esclarecimentos. Entre as novidades está a definição de parâmetros para avaliação dos programas de compliance (ou programas de integridade, como são chamados no texto legal), cuja existência e aplicação serão levadas em conta na aplicação das sanções por corrupção.

O decreto lista 16 parâmetros que atestarão a presença e a correta aplicação do compliance. Entre eles está o apoio da alta direção ao programa, o uso de códigos de conduta e ética e a adoção de procedimentos específicos para prevenir fraudes em qualquer interação com o setor público, a exemplo de licitações e pagamento de tributos. A empresa também precisará provar que os registros contábeis estão corretos e que os controles internos asseguram a confiabilidade das demonstrações financeiras. Durante reestruturações societárias, ela precisará ter mecanismos para verificar a incidência de irregularidades e vulnerabilidades entre as partes envolvidas.

“As companhias de capital aberto são as mais afetadas pela Lei Anticorrupção, já que eventuais problemas terão repercussão nos órgãos reguladores do mercado de capitais, como a CVM e a SEC”, explica Adriana Dantas, sócia da área de ética corporativa do Barbosa, Müssnich & Aragão Advogados. Segundo ela, a instauração de um processo administrativo de responsabilização, mesmo antes de qualquer tipo de condenação, terá enorme repercussão sobre a negociação das ações. Como o procedimento será público, desencadeará, inclusive, a publicação de fato relevante.

Ilustração: Rodrigo Auada


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  CAPITAL ABERTO mercado de capitais compliance lei anticorrupção decreto Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Relato integrado
Próxima matéria
Falhas nos balanços e IFRS evidenciam responsabilidades do administrador



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Relato integrado
Os relatórios anuais das companhias abertas com frequência são divididos em dois universos: o desempenho econômico-financeiro...