Faltam conselheiros independentes na Índia

Governança Corporativa/Internacional/Edição 130 / 1 de junho de 2014
Por 


A Índia tem, desde 2013, uma nova lei societária. E, em abril último, ganhou também um novo código de governança corporativa, elaborado pela Securities and Exchange Board of India (Sebi), reguladora local. Em comum, os dois documentos pedem que o conselho seja formado por, pelo menos, um terço de membros independentes. O problema é que as companhias indianas vêm enfrentando dificuldades para achar esses profissionais.

Ao jornal indiano Business Standard, Upendra Kumar Sinha, presidente da Sebi, se mostrou pouco tolerante às reclamações. Disse ser difícil compreender que, em um país com mais de 1 bilhão de pessoas, as empresas não consigam encontrar algumas centenas de conselheiros independentes.

A questão é que alguns candidatos a essas vagas estariam reticentes em aceitá-las. Eles temem enfrentar problemas no futuro: a lei societária indiana impõe rigorosas penas a conselheiros que não cumprem seus deveres. De acordo com a lei e o código da Sebi, cabe aos independentes defenderem o interesse dos minoritários e de outros stakeholders.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  conselho de administração conselheiro independente Índia CAPITAL ABERTO mercado de capitais Sebi companies act Upendra Kumar Sinha Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Meio ambiente preocupa acionistas americanos
Próxima matéria
Neozelandeses não compreendem documentação de oferta



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Meio ambiente preocupa acionistas americanos
Na temporada de assembleias deste ano, um assunto preocupa em especial os acionistas americanos. De acordo a Ceres, organização...
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}