Bronca pública

Banco central americano exige melhorias nas práticas de governança do Wells Fargo

Governança Corporativa/Internacional / 11 de fevereiro de 2018
Por 


Ilustração: Rodrigo Auada

Ilustração: Rodrigo Auada

No último dia 2, o Federal Reserve (FED), banco central americano, proibiu o Wells Fargo de aumentar o valor total de seus ativos e exigiu que a instituição adotasse medidas para melhorar sua governança corporativa e seu gerenciamento de risco. O banco terá que substituir três membros do conselho até abril e mais um até o fim do ano. O FED ainda censurou publicamente John Stumpf, ex-CEO e chairman, pela falta de controles internos da instituição. Em 2016, o Wells Fargo foi alvo de uma investigação, após a descoberta de que havia aberto milhões de contas falsas em nome de seus clientes.

Ao portal de governança corporativa e regulação da Harvard Law School, os sócios do escritório Wachtell, Lipton, Rosen & Katz, Edward Herlihy, Richard Kim e Sabastian Niles, afirmaram que as ações do FED, anunciadas no último dia de Janet Yellen no cargo, têm forte peso político. Indicada por Obama, Yellen deixa o cargo em um momento em que o presidente Trump vocifera contra o excesso de regulação do sistema financeiro.

Apesar desse contexto político, as atitudes do FED, na visão dos advogados, demonstram uma mudança de comportamento da entidade que pode ser aplicada a outras empresas envolvidas em fraudes. A decisão de proibir o banco de aumentar seus ativos, por exemplo, não é incomum, mas sempre havia sido reservada a instituições financeiramente combalidas, o que não é o caso do Wells Fargo. Além disso, chamou atenção o fato de o FED ter tornado pública a carta com as exigências feitas ao banco — algo que normalmente não acontece.

 


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Foco na cultura
Próxima matéria
Retorno triunfal



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.




Leia também
Foco na cultura
“Um dos papéis-chave do conselho de administração é determinar cultura, valores e ética da companhia. Os executivos...