PMEs chinesas se voltam ao mercado de dívida

Gestão de Recursos/Internacional/Edição 119 / 1 de julho de 2013
Por 


Em 2011 e 2012, as pequenas e médias empresas (PMEs) chinesas levantaram cerca de 315 bilhões de iuanes (US$ 50 bilhões) no mercado de dívida corporativa. São companhias com faturamento anual inferior a US$ 48 milhões e pouco acesso a empréstimo bancário. O valor arregimentado nos dois últimos anos é quase quatro vezes maior do que o captado entre 2008 e 2010.

O boom está ligado ao esforço do governo chinês para fortalecer as PMEs. Em 2009, o Estado estabeleceu cortes de impostos e outros incentivos para elas. Apesar do aumento, os 315 bilhões de iuanes representam pouco diante dos 5,87 trilhões de iuanes (US$ 950 bilhões) de títulos de dívida emitidos pelo mercado chinês como um todo. A maior parte desse dinheiro foi levantada pelo governo da China e por companhias estatais.

Os títulos de dívida estão preenchendo o vazio deixado pelos bancos, que, desde 2011, vêm emprestando menos, devido a controles macroeconômicos implantados pelo Estado para evitar que a economia fique superaquecida. Em entrevista à revista Institutional Investor, Chris Lau, gestor de portfólio da Bosera Asset Management, de Hong Kong, disse que os principais investidores em títulos de dívida chinesas são pequenas companhias privadas. Hoje, elas concentram a maior parte do dinheiro em títulos garantidos pelo governo chinês. No longo prazo, Lau acredita que esse comportamento deve mudar, já que o Estado estimula cada vez mais essas empresas a recorrer ao mercado de capitais.

No momento, a Bosera tem poucos títulos de PMEs. Mas está em seus planos aumentar a exposição. Um dos principais estímulos são os juros pagos por esses emissores. Os títulos emitidos pelas PMEs oferecem, em média, 6,37% de retorno em 30 meses. Já os do governo chinês pagam 2,75% por um título com prazo de três anos.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  China PMEs Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Hedge funds apostam em customização
Próxima matéria
Investidor pagará por fracassos de bancos japoneses



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Hedge funds apostam em customização
Os hedge funds estão em crise. Em 2007, havia 2.462 deles no mundo. No primeiro trimestre deste ano, eles somavam 1.855....