CFA vê potencial de crescimento na América Latina

Bimestral/Relações com Investidores/Temas/Edição 84 / 1 de agosto de 2010
Por 


A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) editou, no último dia 6 de julho, a Instrução 483, que dispõe sobre a atividade de analista de valores mobiliários. Dois anos se passaram desde o início da audiência pública, mas os principais pontos propostos pelo regulador foram mantidos — dentre eles, a delegação da certificação dos profissionais de análise a outras entidades. A tarefa ficará nas mãos da Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais (Apimec), mas a CVM dispensará de exames os analistas aprovados por órgãos internacionais, como o CFA Institute. A nova regulação já produziu resultados. Em relação ao ano passado, o número de inscritos nas provas do CFA no Brasil subiu 17%.

Gabriela Franco, gerente geral para América Latina do CFA Institute, está confiante no potencial de crescimento do mercado brasileiro. Ela observa que o porte da indústria financeira local, em número de empregos gerados, é similar ao do Canadá. “Mas lá existem 11,4 mil analistas certificados, ao passo que no Brasil são só 322”, compara.

Em relação aos Bric, o Brasil tem mostrado menor procura pelo CFA. Nos últimos cinco anos, a taxa de crescimento do número de inscritos foi de apenas 18%. No mesmo período, a China avançou 21%; a Rússia, 33%; e a Índia, 61%.

A América Latina registra a menor presença de profissionais com certificação CFA do mundo — 965. Enquanto isso, África e Oriente Médio somam 2,3 mil certificados, e a Ásia (região do Pacífico), 14,4 mil. Na Europa, são 15 mil os analistas aprovados nos exames. “Somos pouco representados na América Latina e estamos comprometidos a mudar essa situação”, declara Bob Johnson, diretor administrativo sênior do CFA.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Emergentes Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Nariz torcido
Próxima matéria
Ofertas registradas de notas promissórias somem do mapa



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Nariz torcido
As 159 companhias listadas nos segmentos diferenciados de governança corporativa da BM&FBovespa — Nível 1, Nível...