E a Bolsa parou

O fim da CPMF foi o mote de uma greve-relâmpago na Bovespa, que incendiou a política nacional e culminou
na extinção do imposto

Captação de recursos / Histórias / Edição 133 / 1 de setembro de 2014
Por 


HistóriasSetembro de 2001. A Bovespa vivia um intenso combate para isentar as operações de bolsa da famigerada Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), que travava e encarecia fazer negócios no Brasil.

Um dos objetivos era conquistar a opinião pública e, assim, influenciar o posicionamento dos políticos no Congresso Nacional em favor de sua causa. Surgiu então a ideia de fazer uma greve na Bolsa, evento de repercussão garantida na imprensa. O comandante do processo era o presidente da instituição, Raymundo Magliano Filho. Sabiamente, ele resolveu consultar quem entendia de greves: Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força Sindical. Ele o convenceu a fazer uma paralisação simbólica de apenas uma hora, que teria o mesmo efeito midiático de uma ação maior, e prometeu todo o apoio de sua central à manifestação. No dia 4 pela manhã, a porta da Bovespa, na Rua XV de Novembro, centro velho de São Paulo, presenciou uma agitada assembleia de operadores e dirigentes — com direito a carro de som da Força Sindical e discursos inflamados dos participantes. Ficou decidida a paralisação para dois dias depois, entre meio-dia e 13 horas.

No momento aprazado, havia cerca de 1.300 pessoas na sala do pregão da Bolsa. Magliano e Paulinho adentraram o recinto portando uma bandeira do Brasil e, imediatamente, os presentes começaram a cantar o Hino Nacional. Foi um acontecimento eclético. Além do presidente da Bovespa e do diretor da Força, estavam presentes e fizeram pronunciamentos enfáticos representantes de outras facções sindicais. Foram os casos do deputado petista Ricardo Berzoini, então na oposição, e de líderes empresariais como Horácio Lafer Piva e Abram Szajman, presidentes, respectivamente, da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e da Federação do Comércio de São Paulo (Fecomercio-SP).

Ao meio-dia em ponto, desligaram-se as máquinas de negociação eletrônica e silenciou-se o ainda existente pregão a viva voz. A cobertura na mídia, nacional e internacional, foi extraordinária. No dia seguinte, feriado de 7 de setembro, a notícia estava na primeira página de todos os jornais; as redes de televisão aberta dedicaram 1 hora, 52 minutos e 16 segundos àquele acontecimento.

Nove meses depois, como numa gestação, o Congresso promulgou solenemente a Emenda Constitucional número 37, que isentava as operações em bolsa do ônus da CPMF. Era 12 de junho de 2002, e os ventos políticos haviam mudado. O mercado ganhara uma batalha fundamental.

Montagem com fotos do site Wikimedia Commons.


Quer continuar lendo?

Você já leu {{limit_offline}} conteúdo(s). Gostaria de ler mais {{limit_online}} gratuitamente?
Faça um cadastro!

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Bovespa CAPITAL ABERTO mercado de capitais Raymundo Magliano Filho Abram Szajman CPMF Paulo Pereira da Silva greve-relâmpago paralisação Ricardo Berzoini Horácio Lafer Piva Fiesp Fecomercio-SP Emenda Constitucional 37 Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Modelo híbrido
Próxima matéria
Autocensura




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Modelo híbrido
Comparar a governança corporativa de diferentes países não é tarefa fácil. Cada nação, afinal, apresenta suas peculiaridades...