Oponentes do Facebook ganham força

Em meio a blecaute inédito, atitudes questionáveis suscitam dúvidas sobre a sustentabilidade do grupo



Oponentes do Facebook ganham força
Acusações de Frances Haugen, ex-funcionária do Facebook, vão desde manipulação proposital de dados até desdém pelos efeitos do formato dos serviços do grupo sobre a saúde mental dos mais jovens | Imagem: freepik

Arqui-inimigo do Superman, Lex Luthor, personagem “do mal” criado ainda nos anos 1940, tinha como obsessão dominar o mundo. Nos quadrinhos e nos filmes, evidentemente, o bilionário megalomaníaco sempre encontrava no super-herói uma barreira intransponível para a concretização de seus planos. Essa analogia com a cultura pop hoje pode ajudar a descrever a situação do Facebook, mas com várias figuras no lugar de um único oponente: reguladores, ex-funcionários que denunciam políticas internas nada ortodoxas ou éticas e, no limite, investidores. A história da empresa de Mark Zuckerberg tem até trapalhadas e falta de sorte, motivos por trás do blecaute simultâneo de Facebook, Instagram e Whatsapp, que no início da semana passada deixou usuários no escuro por cerca de oito horas. 

As recentes notícias envolvendo o grupo levantaram — ou intensificaram —, no mundo todo, duas discussões principais. A primeira trata da pertinência de um reforço na regulação das atividades de empresas que, como o Facebook e seus tentáculos, têm tanta penetração e relevância para a vida cotidiana de indivíduos e empresas globalmente. A segunda implica os investidores, jogando luz sobre seu papel de financiadores dessas atividades. Nesse caso específico, cresce a importância de reflexões sobre a sustentabilidade de negócios nos quais aportam seus recursos. 



O ponto da regulação de empresas como o Facebook constantemente volta ao noticiário. Na semana passada, a novela ganhou novos capítulos com os documentos internos apresentados por Frances Haugen, ex-funcionária da rede. Falando ao programa 60 Minutes e ao Congresso, ela mostrou como a companhia reiteradamente coloca seu objetivo de lucrar cada vez mais (e com poucos escrúpulos) acima das externalidades do negócio — indo na contramão do que pregam as contemporâneas demandas por ações que levem em conta também os interesses do entorno (clientes, colaboradores, fornecedores e sociedade como um todo). Os procedimentos questionáveis vão desde manipulação proposital de dados até desdém pelos efeitos do formato dos serviços do grupo sobre a saúde mental dos mais jovens. Ela inclusive acusou o Facebook de descasamento entre atividades reportadas aos investidores e práticas internas reais. 

Como observou o colunista da Bloomberg Matt Levine, nem todas as coisas horríveis que o Facebook faz são ilegais. Mas talvez seja necessário criar leis para criminalizar essas ações deletérias. 

Cabe aos investidores, na outra ponta, analisar se vale a pena continuar financiando um negócio que, embora lucrativo, vive se equilibrando numa corda bamba. É mais do que pensar nos aspectos ESG: trata-se da própria sustentabilidade dessas carteiras. Afinal, dar as costas para as atitudes do Facebook hoje pode significar ficar sem dividendos mais adiante — e, talvez, num futuro bem próximo.  

Leia também

A escassez do “novo petróleo”

Tiro no pé: Febraban responde Zetta e leva a pior

Investidores veem desinformação como risco sistêmico


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Quero me cadastrar!

Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui > 2

teste

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Facebook redes sociais Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
O uso do voto múltiplo cresceu: um bom sinal para o mercado?
Próxima matéria
A governança em tempos de hiperinteligência



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.

Leia também
O uso do voto múltiplo cresceu: um bom sinal para o mercado?
Governança corporativa encontro online O uso do voto múltiplo cresceu: um bom sinal para o mercado? Conselheiro...