Tiro no pé: Febraban responde Zetta e leva a pior

Reação de entidade à associação de fintechs foi classificada como birra no LinkedIn



Febraban responde Zetta e leva a pior
Resposta da Febraban viralizou de forma desfavorável à entidade, e sua reação foi classificada como “birra” nos comentários | Imagem: freepik

O espaço das redes sociais foi palco, na última semana, de uma briga inusitada. De um lado do ringue, a novata Zetta, associação fundada pelo Nubank, Mercado Pago e Google no início do ano. Do outro, a Federação Brasileira dos Bancos (Febraban). O foco da discussão foram as assimetrias regulatórias entre bancos e fintechs e quem seria mais favorecido nessa história. 

Trocando farpas 

A contenda aconteceu na rede social LinkedIn. A discussão começou com uma postagem da Zetta sobre o aumento das tarifas dos grandes bancos durante a pandemia, detectado por uma pesquisa feita pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) e divulgada em reportagem do Valor Investe. Segundo o estudo, enquanto os bancões elevaram as tarifas de serviços como depósitos, saques e transferências de 9% a 25%, acima da inflação acumulada no período, os sete bancos digitais analisados (Nubank, Agi, Neon, Banco Original, Superdigital, Inter e Banco Next) mantiveram os preços. 

A postagem, com pouquíssimas reações e comentários, recebeu uma resposta enérgica da Febraban, que publicou um “textão”. Nele, a entidade destaca que o “Nubank, que tem cara, porte, produtos e até nome de banco” cobra juros mais altos dos seus clientes do que a média dos cinco ou 10 grandes bancos brasileiros. Além disso, destaca que os bancos geram mais de meio milhão de empregos em todo o País e têm que cumprir mais exigências, ao contrário das fintechs que não precisam seguir as regras para contratação de bancários e ainda pagam menos impostos.  

Tiro no pé 

As ”verdades” ditas pela Febraban, entretanto, viralizaram de forma desfavorável à entidade, e sua reação foi classificada como “birra” nos comentários. “Em vez de optar por ações desesperadas como essa e competir nos meandros da lei, por que vocês não pivotaram no passado o modelo arcaico onde seus clientes eram tratados como números e não pessoas?”, questionou Matheus Hunger, que atua na área de Customer Success da healthtech Hilab. 

Além disso, quem acompanhou a briga disse que a Febraban, ao pontuar que as taxas do Nubank são mais altas que as dos bancos tradicionais, demonstrou falta de conhecimento sobre seus clientes. “As pessoas não escolhem as fintechs por conta de taxas, mas sim pela facilidade, usabilidade e atendimento. Hoje, os bancos também melhoraram, mas, para mim, em grande parte por conta da provocação e avanço das fintechs”, opinou Rodrigo Perenha, head de Engenharia do Mercado Pago. 

palavra final, por enquanto, é da Zetta, que aproveitou o apoio da internet para dar mais uma alfinetada. A associação lamentou que a resposta da Febraban tenha tentado “confundir a opinião pública a respeito de temas importantes sobre a concorrência no setor de serviços financeiros”. Pelo visto, era melhor a Febraban ter ignorado o primeiro post. 

Leia também

Fintech dá golpe de jiu-jitsu na pauta ESG

Conexão direta com o CEO

O frágil cerco ao mercado de criptoativos


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Quero me cadastrar!

Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui > 2

teste

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  redes sociais Fintechs Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Assets menores viram objeto de desejo
Próxima matéria
Regras mais flexíveis para agentes autônomos



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.

Leia também
Assets menores viram objeto de desejo
O atrativo das assets menores está na dedicação a campos específicos do mercado, que normalmente interessam...