Investidores alemães aprovam “dividendo verde”

Decisão sugere percepção mais aguda da importância das questões ambientais



Investidores alemães aprovam “dividendo verde”

A ideia é implicar a Alstria, firma imobiliária alemã, nos esforços privados para o cumprimento das metas do Acordo de Paris | Imagem: freepik

Se os investidores globais em algum momento seguirem em massa o exemplo recente dos cotistas de uma firma imobiliária alemã, os projetos ambientais podem ganhar um reforço financeiro e tanto. Reunidos em assembleia, os cotistas da Alstria — uma Reit (real estate fund services), categoria de empresa que se assemelha aos fundos imobiliários brasileiros — aprovaram a destinação de parte dos dividendos a que teriam direito para duas iniciativas, de descarbonização e produção de energia renovável. Eles se alinharam ao que já pode ser chamado de “dividendo verde”. 

A proposta da administração, que obteve o aval de 85,2% dos cotistas, envolve a transferência de 1,78 milhão de euros dos dividendos a esses programas, que não estão diretamente associados à operação da Reit, empresa detentora de pouco mais de 100 edifícios na Alemanha, com área de 1,4 milhão de metros quadrados e ativos avaliados em 4,4 bilhões de euros. A ideia é implicar a Alstria nos esforços privados para o cumprimento das metas do Acordo de Paris, como a limitação da média de aquecimento global a 1,5 grau Celsius neste século. 

Questão de linguagem 

Como observa um artigo da IR Magazine, para além da novidade desse tipo de envolvimento de investidores com as questões ambientais, o episódio tem pelo menos um ponto curioso. Ele está relacionado ao fato de, reunidos em assembleia no ano passado, os cotistas terem recusado proposição semelhante da administração da Alstria — na ocasião, os votos contrários foram 95,1%. Os cotistas preferiram receber sua parte em dinheiro. 

Ouvido pela publicação, o CEO da reit, Olivier Elamine, disse acreditar que a virada da percepção tem a ver, entre outros fatores, com uma questão de linguagem. Na assembleia de 2020, a Alstria perguntou se os cotistas gostariam de receber seus dividendos ou permitiriam a destinação dos recursos a projetos ambientais — a indagação, portanto, envolvia uma ideia, ainda que remota, de perda. Desta vez, a administração apostou em uma abordagem mais positiva: a pergunta que recebeu o “sim” de 85,2% dos shareholders era algo como “se esses investimentos ‘verdes’ forem aprovados, os dividendos como um todo serão reduzidos em apenas 0,01 euro por cota”. Minimizada a sensação de perda, veio a aprovação, o que mostra um caminho que outras empresas podem adotar para convencer seus investidores a também se engajar nas questões ambientais. 

Também contribuiu para a mudança de avaliação a intensificação das preocupações com os aspectos ESG dos investimentos, cada vez mais presentes no dia a dia dos investidores.  

 

Leia também

Em ESG, não dá para enganar por muito tempo

Na contramão da economia de baixo carbono

Lente ESG evidencia incoerências nos modelos dos grandes bancos


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Quero me cadastrar!

Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui > 2

teste

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Dividendos energia renovável emissão de carbono Descabor Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Por que a Lei das Estatais não funciona
Próxima matéria
A atuação da BlackRock nas assembleias de 2021



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.

Leia também
Por que a Lei das Estatais não funciona
São raros os momentos no Brasil em que as empresas estatais deixam de frequentar o noticiário. Seja por perspectivas...