Cresce quantidade de conselheiros com experiências profissionais variadas

Companhias têm escolhido mais profissionais com especialização em RH, tecnologia e ESG



Diversidade de formação é aposta para conselhos
O percentual de conselheiros com vivências tradicionais caiu, em média, de 59,4% em 2019 para 56% em 2021 | Imagem: freepik

A inusitada notícia de que a cantora Anitta se tornaria membro do conselho de administração do Nubank foi recebida com certa curiosidade no mercado de capitais. À parte a peculiaridade da indicação, o movimento do banco digital faz parte de um experimento de diversidade, uma tendência em voga no mundo. A fatia de conselheiros com currículos não tradicionais — sem experiência em cargos de CEO, CFO e COO, por exemplo — aumentou de 13% em 2019 para 18,9% em 2021, de acordo com relatório da consultoria Diligent. Foram analisados dados de companhias de Reino Unido, Estados Unidos e Austrália. 

“A pressão global para que companhias intensifiquem a diversidade étnica e de gênero nos conselhos pode ter, de forma não intencional, impactado o conjunto de habilidades de seus membros”, escrevem os autores do levantamento. O relatório leva em consideração empresas de setores como tecnologia, marketing, vendas, recursos humanos e com recorte ESG. Nos três países citados, o percentual de conselheiros com vivências tradicionais caiu, em média, de 59,4% em 2019 para 56% em 2021. O maior recuo foi registrado na Austrália. 

Mulheres no conselho 

Entre os novos conselheiros que oferecem maior diversidade de formação para os boards predominam integrantes do sexo feminino. “Poucas mulheres e minorias étnicas ocuparam no passado cargos de CEOs, CFOs ou COOs em grandes empresas listadas em bolsa. À medida que essas empresas recrutam e nomeiam mulheres e minorias étnicas para seus conselhos, elas também estão incorporando pessoas com experiências profissionais não tradicionais”, afirma o estudo. 

Segundo a Diligent, em 2021, as mulheres representam a maioria de novos membros de conselho com experiência em tecnologia e recursos humanos. Quando se trata de background em ESG, a participação atingiu 84% neste ano — um incremento de 20% em relação a 2016. A exceção ficou por conta de empresas do setores de vendas e da área jurídica, nas quais a diversidade de formação foi mais comum em membros do sexo masculino.  

Leia também

Gustavo Franco: “O Brasil é o país da procrastinação”

Lente ESG evidencia incoerências nos modelos dos grandes bancos 

Tributação dos créditos de descarbonização, os CBios


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Quero me cadastrar!

Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui > 2

teste

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  conselho de administração ESG diversidade diversidade nos conselhos Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Os perigos da radicalização do cientificismo
Próxima matéria
Três novos modelos mentais para lideranças de vanguarda



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.

Leia também
Os perigos da radicalização do cientificismo
Alexandre Fialho é sócio-fundador da Filosofia Organizacional, conselheiro de diversas empresas, mentor de grandes líderes...