Gestora apoia fim do resultado trimestral

Companhias abertas / Internacional / Edição 143 / 1 de julho de 2015
Por 


gestora-apoiaUma das maiores gestoras de ativos do Reino Unido, a Legal & General Investment Management (LGIM), escreveu uma carta às empresas com ciclos de negócios de longo prazo incentivando-as a abandonar o relatório trimestral de resultados. A carta foi redigida pelo CEO da LGIM, Mark Zinkula, e endereçada aos conselhos de administração das companhias pertencentes ao índice FTSE 350.

De acordo com Zinkula, a produção do relatório trimestral de resultados é um disperdício de tempo para as companhias, dado o pouco valor que agrega. Na sua visão, esse tipo de reporte faz a gestão se concentrar em metas imediatas de resultados, nem sempre favoráveis à construção de um negócio sustentável. Também prejudica a comunicação com os investidores, que deveria ser mais focada em abordar tópicos como estratégias de negócios, dinâmica do mercado e inovação.

O pedido foi realizado sete meses após o Reino Unido tornar opcional a produção de relatório trimestral de resultados pelas companhias abertas. O objetivo é incentivar a orientação dos negócios pensando no longo prazo. Entre as empresas adeptas à novidade, estão a National Grid, operadora de energia, e a Diageo, fabricante de bebidas premium. Na opinião de 20 importantes investidores dessa última companhia, a decisão é acertada. “Não queremos as empresas obcecadas com as altas e baixas de lucros e vendas no curto prazo, afirmaram os investidores ao Financial Times.

Ilustração: Grau 180.com.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  conselho de administração CAPITAL ABERTO mercado de capitais Reino Unido resultado trimestral Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Bem na vitrine (Lojas Renner)
Próxima matéria
Companhias falham em divulgar informações sobre capital humano



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Bem na vitrine (Lojas Renner)
O ano não está fácil para o mercado de capitais — e ainda menos para o varejo, que enfrenta alta de custos e renda do consumidor...