Estudo questiona eficiência do “value investing”

Prática de compra de ações subvalorizadas e venda de ativos supervalorizados, adotada por nomes como Warren Buffett, estaria baseada num preceito equivocado

Gestão de Recursos/Internacional / 13 de setembro de 2019
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


Ilustração: Rodrigo Auada

Com a estratégia conhecida como “value investing” — numa definição simples, a compra de ações subvalorizadas e venda de ativos supervalorizados —, grandes nomes como Benjamin Graham (na teoria) e Warren Buffett (na prática) fizeram história. Apesar disso, ganharam corpo desde a crise de 2008 críticas a essa modalidade de atuação no mercado, reforçadas por um novo estudo segundo o qual o value investing não gera bons resultados desde o final dos anos 1980 — com a exceção de um curto período no início dos anos 2000.

Os pesquisadores Baruch Lev, da Universidade de Nova York, e Anup Srivastava, da Universidade de Calgary, no Canadá, afirmam que o value investig tem uma performance inconsistente há muitos anos por estar baseado nos preceitos errados. De acordo com o estudo, ao longo do tempo as empresas abertas passaram a investir cada vez mais em atividades que não eram contabilizadas nas demonstrações analisadas pelo value investing — os ativos chamados intangíveis. Assim, investimentos em pesquisa e desenvolvimento, tecnologia da informação, criação de marcas e recursos humanos deixaram de ser levados em conta, o que teria causado erros sistemáticos na identificação de valor das empresas. Os pesquisadores afirmam que a estratégia correta teria gerado retornos significativamente mais altos a partir do final dos anos 1980.


Leia também

Warren Buffett, o melhor aluno de Ben Graham — Parte 1

Warren Buffett, o melhor aluno de Ben Graham – Parte 2

Renato Janine Ribeiro: “Estamos presenciando a destruição de instituições e poderes”



Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Warren Buffett value investing Benjamin Graham Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Pela independência do Banco Central
Próxima matéria
Charge do mês - Edição 169



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Pela independência do Banco Central
A sociedade brasileira ainda não se deu conta da transcendental importância da autonomia do Banco Central (BC). Cogita-se,...