Bolsa de Londres lança mote de “mais flexível” para competir com a Nyse

Governança / Edição 21 / 1 de maio de 2005
Por 


A bolsa de Londres (London Stock Exchange – LSE) lançou uma campanha de marketing para atrair empresas da Índia, China e Rússia. A campanha visa mostrar que a LSE é a plataforma ideal para empresas com boas perspectivas de crescimento levantarem recursos internacionalmente. Segundo James Woodley, gerente da área de desenvolvimento de negócios da LSE, a bolsa de Londres “é mais flexível e baseada em princípios e códigos eficazes de governança, enquanto as bolsas americanas são mais prescritivas e caras para as empresas”.

Em linhas gerais, o argumento é que a LSE oferece melhor proteção para acionistas minoritários a um custo menor. Mesmo antes do lançamento desta campanha, o mercado já dava sinais de compreender a mensagem. Em 2004, a LSE teve 293 IPOs, sendo 49 de empresas estrangeiras. No mesmo período, a NYSE teve 131 IPOs, sendo apenas 11 de empresas de outros países. O fraco resultado da NYSE em número de IPOs internacionais é conseqüência da entrada em vigor da Lei Sarbanes-Oxley, que aumentou os custos para as empresas e as penalidades para os administradores, desestimulando novas ofertas públicas iniciais.

A LSE oferece às companhias estrangeiras duas opções de mercados para listagem: o mercado alternativo de investimento (Alternative Investment Market – AIM) e o mercado principal (Main Market). O AIM é um mercado destinado para pequenas e médias empresas em estágio inicial de desenvolvimento, com regulamentação mais simples e flexível. O mercado principal destina-se às grandes companhias que desejam captar recursos globalmente. O AIM foi lançado em 1995 e já admitiu mais de 120 empresas estrangeiras no período, possibilitando a captação de mais de 1,2 bilhão de libras.


Quer continuar lendo?

Você já leu {{limit_offline}} conteúdo(s). Gostaria de ler mais {{limit_online}} gratuitamente?
Faça um cadastro!

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Desigualdade de direitos de voto é representativa na Europa
Próxima matéria
Vale a pena melhorar a especialização em finanças do comitê de auditoria?




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Desigualdade de direitos de voto é representativa na Europa
Um dos pilares fundamentais das boas práticas de governança é o princípio da eqüidade entre todos os acionistas, que pode...