Estéreis

Em tempos de conchavos fraudulentos desvendados diariamente no noticiário, é assustador perceber a desfaçatez com que políticos, empresários e executivos tecem meios para expropriar o setor público. Quando as notícias arrastam companhias publicamente comprometidas com a boa governança, como a BRF, …

Seletas/Editorial/Edição 72 / 1 de abril de 2017
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


Em tempos de conchavos fraudulentos desvendados diariamente no noticiário, é assustador perceber a desfaçatez com que políticos, empresários e executivos tecem meios para expropriar o setor público. Quando as notícias arrastam companhias publicamente comprometidas com a boa governança, como a BRF, um tanto pior. Envolvida em investigações da Polícia Federal sobre um inescrupuloso esquema de suborno de fiscais, a companhia tornou-se em seguida alvo de outra contravenção ética: a negociação, por seus executivos, de derivativos que apostam na baixa das ações da empresa. Enquanto davam boas notícias ao mercado, eles previam a queda breve dos papéis recebidos como incentivo para alinharem-se ao risco dos sócios e adquiriam instrumentos para minimizar a perda ou até transformá-la em lucro. A transação, claramente antiética, é surpreendentemente permitida não só pelos reguladores como pelas políticas de companhias do porte da BRF.

Infelizmente, há mais situações em que princípios básicos do bom comportamento humano são facilmente enterrados com a falta de vedação — ou até a ajuda — da lei. Veja-se o caso dos acordos de acionistas e do artigo 118 da Lei das S.As., abordados em Grupo de Discussão realizado recentemente pela CAPITAL ABERTO (confira os melhores momentos em vídeo nesta edição). Da forma como está disposto, o artigo referenda que a independência dos conselheiros de administração é apenas para inglês ver. Movimentos recentes do mercado, no entanto, indicam que esses acordos podem cair em desuso por uma razão simples: seus inconvenientes estão ficando maiores que os benefícios.

Também nesta edição, a coluna de Frederico Rizzo sobre os investimentos de impacto, o artigo de Ivo Bari sobre chinese wall e os próximos passos da B3, a nova bolsa de valores resultante da união de BM&FBovespa e Cetip.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  bmfbovespa Usiminas Acordo de acionistas BRF editorial simone azevedo Estéreis B3 Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Investidores institucionais condenam ações com direitos distintos
Próxima matéria
CVM frustra plano da Nippon e de minoritários em assembleia da Usiminas



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Investidores institucionais condenam ações com direitos distintos
Ação com direito a voto, ação sem direito a voto, ação com direito a voto várias vezes superior ao das demais......