Meias-solas

Poucas décadas atrás, quando os sapatos eram feitos exclusivamente de couro, havia uma solução barata improvisada pelos sapateiros para solados gastos. Substituía-se apenas a porção mais usada: era a chamada meia-sola, que terminou por se transformar em sinônimo de serviço porco, mal feito, …



Ney Carvalho* (Ilustração: Rodrigo Auada)

Ney Carvalho* (Ilustração: Rodrigo Auada)

Poucas décadas atrás, quando os sapatos eram feitos exclusivamente de couro, havia uma solução barata improvisada pelos sapateiros para solados gastos. Substituía-se apenas a porção mais usada: era a chamada meia-sola, que terminou por se transformar em sinônimo de serviço porco, mal feito, incompleto, sem capricho.

Li em O Globo que a chamada Lei de Responsabilidade das Estatais está enfrentando resistências de políticos, sindicatos e entidades diversas. Isso levaria a vetos do presidente da República, após acordos com o Congresso.

Ora, antes de qualquer outra consideração, é fundamental entender que a dita lei nada mais é do que uma meia-sola. Trata-se de dar nova roupagem e, consequentemente, sobrevida a um tipo de negócio que há muito deveria ter sido extinto no Brasil: aquele de iniciativa e comando estatais.

A Operação Lava Jato e suas congêneres — que têm proliferado País afora — apenas demonstram que empresas estatais constituem meros biombos para as mais torpes traficâncias de políticos e funcionários inescrupulosos. Pior ainda quando elas têm capital misto e captam recursos no mercado, iludindo a boa-fé dos investidores.

Mesmo assim, diversas atividades ainda progridem e tentam avançar mais em suas manobras. Há alguns dias a Infraero noticiava a abertura de capital de uma subsidiária que englobaria a ponte-aérea Rio-São Paulo, mantendo o controle acionário da operação. Mais uma autêntica meia-sola, destinada a remendar com verniz de modernidade um tipo de gestão que está virtualmente falido: a administração estatal de empreendimentos econômicos.

Não se encontra o mesmo padrão de despudor na iniciativa privada que lida exclusivamente com o público consumidor. Quando ocorrem escândalos no setor privado, eles envolvem alguma relação com o poder público — este sim, sempre o ente corrompido.

Para extinguir a corrupção e poder progredir, o Brasil está diante de uma alternativa única: privatizar ou privatizar. Chega de meias-solas.


*Ney Carvalho ([email protected]) é historiador e colunista da CAPITAL ABERTO


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Quero me cadastrar!

Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui > 2

teste

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Operação Lava Jato Lei de Responsabilidade das Estatais Lei das Estatais Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Novidades da IFRS 9 tendem a reduzir descasamentos contábeis
Próxima matéria
Profissional de RI assume papel mais estratégico e foca gestão de riscos



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.

Leia também
Novidades da IFRS 9 tendem a reduzir descasamentos contábeis
O termo hedge accounting se refere a um critério contábil que permite a uma entidade associar um instrumento de hedge...