Ativismo societário como dever cívico

Mercado brasileiro começa a despertar para a necessidade de minoritários terem atuação mais destacada

Artigo/Relações com Investidores / 11 de outubro de 2019
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


*Eduardo Silva da Silva | Ilustração: Julia Padula

Robert Monks, um dos pais do que nos Estados Unidos se costumou chamar de ativismo societário (shareholder activism), mencionou, em certa oportunidade, que a base do capitalismo democrático estava sendo fortemente atacada por dentro de suas próprias estruturas. E essa ofensiva seria proveniente de uma série de fatores e agentes, resumida em parte do título de uma de suas obras: investidores passivos e a captura do sonho americano.

Migrando para a realidade nacional: é fato que o brasileiro nunca “sonhou” com a bolsa de valores ou mesmo com o próprio capitalismo. Nossa sociedade aplaude os benefícios do trabalho, mas demoniza o empresário, e mantém certo preconceito — religioso, estrutural e moral — com o lucro.

É possível dizer que o perfil de investidor do brasileiro é passivo. A explicação para essa característica talvez resida no fato de termos assimilado a ideia de que o investimento em bolsa é essencialmente de risco. E, numa leitura extensiva muito imprópria e mesmo errônea, por força do risco acabamos admitindo condutas lesivas ao interesse dos acionistas, que deveriam ser refutadas e, eventualmente, indenizadas.

Assim, após aportar os valores — muitas vezes resultantes de uma vida inteira de restrições e escolhas difíceis — o investidor brasileiro tende a não observar atentamente o que ocorre no dia a dia da empresa investida. Assembleias dos acionistas ficam desertas, exceto por alguns qualificados e pelas estruturas de controle.

Note-se que mesmo os grandes investidores institucionais não lograram, em terras brasileiras, qualquer desempenho que possa se assemelhar ao ativismo que se processa no Estados Unidos. Se a natureza humana é a mesma, e a tendência às fraudes, à corrupção e à geração de danos é equivalente, o Brasil ainda carece de uma prática ativista que conserve o sonho do investimento no mercado de capitais.


Leia também

Abrindo a caixa de Pandora do Direito Societário

De novo a polêmica do voto de controlador conflitado

Governança em empresas familiares


Essa passividade tropical está descrita no recém-publicado “Review of Shareholder Activism”, publicado pela Harvard Law School Forum. O Brasil, numa indústria global de cerca de 65 bilhões de dólares, figura apenas com três casos de ativismo societário no ano de 2018. Mas penso que ainda há tempo para mudança.

Existe um risco inerente à volatilidade da renda variável, próprio do mercado, e o brasileiro aprenderá a lidar com ele como opção aos juros baixos das aplicações que, até aqui, nortearam sua capacidade de poupança e de investimento. Já o risco indevido — proveniente de toda a sorte de má-gestão, corrupção e conflitos entre os controladores e o interesse coletivo dos acionistas — deverá ser prevenido por medidas de governança e ressarcido por mecanismos próprios.

Acredito que isso vai acontecer porque agora os fundos de pensão assumirão com mais clareza o papel que lhes é reservado: o de prover, para muitos, o sustento na aposentadoria. O cenário vai despertar os acionistas minoritários, que precisarão, além de meramente aportar valores, zelar por seus próprios investimentos. As redes sociais podem vir  a facilitar esse trabalho.

Existem novidades promissoras que catalisam o processo de mudança de visão e de atitudes dos acionistas não controladores. Na perspectiva de prevenção e, igualmente, de ressarcimento, a Instrução 607/19 da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) qualifica como atenuantes de certas imputações a reparação prévia do dano causado. A Câmara de Arbitragem do Mercado, por sua vez, para além das demandas relevantes que já processa (leia-se Petrobras e Vale, lesadoras de milhares) deve ter seu emprego ampliado, para ser capaz de restituir quem, no mercado de capitais, for indevidamente lesado.

Surgem, ainda, as iniciativas oriundas do artigo 246 da Lei das S.As. Um dispositivo que também hibernava no leito dos investidores passivos e que foi “acordado”, pelo menos contra algumas grandes companhias. Trata-se da valorização da iniciativa de qualquer acionista que, percebendo inércia da controlada em promover a restituição de prejuízos promovidos pela controladora, pode promovê-lo, com benefícios amplos, via pagamento de prêmio calculado no montante do dano.

Essas iniciativas aproximam o Brasil do que Monks chamou de “dever cívico” com o capitalismo democrático. Em suma, zelar pelo próprio investimento e pela regularidade do mercado de capitais consiste, em última instância, na promoção de mais empregos, oportunidades e melhores condições para o Estado arrecadar tributos. Nada, portanto, mais cívico.


*Eduardo Silva da Silva (eduardo@disputreresolutionoffice.com) é sócio do Escritório DRO (Dispute Resolution Office)


Leia também

Retorno ao acionista perde prioridade

Relações com investidores: área estratégica fundamental para as companhias

Reflexões sobre a maturidade dos conselhos



Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 36 00

Mensal

Acesso Digital
-
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Completa

R$ 42 00

Mensal

Acesso Digital
Edição Impressa
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Corporativa

R$ 69 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 15% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Clube de conhecimento

R$ 89 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 20% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital | Acervo de Áudios



Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  assembleia ativismo societário Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Fundos de investimento e a Lei da Liberdade Econômica
Próxima matéria
Pressão por um capitalismo com visão de longo prazo



1 comentário

Oct 29, 2019

Ótimo texto! Acrescento que a inclusão no texto legal da “ação de responsabilidade do acionista controlador”, em linha com o artigo 246, seria um avanço para o ativismo societário. Assim teríamos clara e direta a possibilidade de punição do abuso de poder do controlador, afastando as limitações atuais.



Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Fundos de investimento e a Lei da Liberdade Econômica
Fundos de investimento e a Lei da Liberdade Econômica Os impactos da nova legislação na responsabilidade...
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}