Mares revoltos (Log-In)

Empresa de navegação vê atraso de fornecedor e quebra de navio, mas demanda sobe



baixa1A empresa de cabotagem (navegação entre portos de um mesmo país) Log-In enfrentou em 2014 as agruras de um setor que ainda tenta se estabelecer no Brasil. Mesmo com a demanda doméstica subindo ao longo do ano, o resultado da companhia foi afetado por uma série de fatores atípicos, como o problema com um fornecedor, a quebra de um navio e a greve de funcionários nos portos onde opera. Combinadas com a alta nos custos de operação e o impacto cambial na dívida da empresa, essas questões levaram a um prejuízo de R$ 19,8 milhões entre janeiro e setembro. Os papel sofreu: nos seis meses encerrados em 22 de janeiro, acumulou queda de 38,9%.

O principal contratempo foi a paralisação, entre junho e agosto, do estaleiro Eisa, para quem a companhia encomendou sete de seus navios. O hiato nas atividades, decorrente de problemas financeiros, significou um atraso de seis meses a um ano no cronograma de entrega. Além disso, a Log-In precisou realizar em novembro um aditivo ao contrato original, no valor de R$ 74,5 milhões, para concluir os projetos.

No início de 2014, a empresa já havia passado por dificuldades com uma de suas embarcações. Uma falha mecânica no motor tirou a RR Europa de operação por 25 dias, impactando o resultado no segundo e no terceiro trimestres. “Há diversos riscos intrínsecos que tornam difícil apostar neste segmento hoje”, diz Felipe Silveira, analista da Coinvalores.

baixa2Boa notícia é o interesse crescente das companhias brasileiras pelo transporte interno. De acordo com o Instituto de Logística e Supply Chain, isso faz o setor crescer em média 20% ao ano. A tendência tem efeitos diretos para a Log-In, que no terceiro trimestre registrou volume recorde transportado por cabotagem. A empresa vem se preparando com investimentos em frota e aumento de calado (profundidade do canal de navegação próximo ao porto), relatam analistas.

Mas a modalidade — responsável por 10% de toda a carga movimentada no País — ainda enfrenta empecilhos que podem atrapalhar esses planos. A burocracia, decorrente da falta de integração com outros tipos de transporte, é um deles. Segundo estimativas, a liberação de uma carga conduzida por navios de cabotagem demanda o triplo de documentos em comparação ao mesmo procedimento para um caminhão. “O esforço da Log-In em fortalecer terminais intermodais [onde a burocracia é reduzida] pode significar uma vantagem nesse contexto”, considera Elad Revi, analista da Spinelli.


A escolha das companhias para esta seção é feita a partir de um levantamento da Economática com a oscilação e o volume negociado mensalmente por ações que possuem giro mínimo de R$ 1 milhão por dia. A partir daí, são escolhidas aquelas que se destacam pelas variações positivas e negativas nos últimos seis meses.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Quero me cadastrar!

Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui > 2

teste

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
De olho nos vizinhos
Próxima matéria
Sem pedras no sapato (Grendene)



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.




APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.

Leia também
De olho nos vizinhos
Não é de hoje que Chile, Colômbia, Peru e México exercem fascínio sobre gestoras de recursos e bancos de investimento...