Sofisticação indispensável

Valorização do profissional de RI traduz o novo perfil do mercado de capitais brasileiro

Reportagem / Edição 22 / 1 de junho de 2005
Por 


 

Enfatizados ao longo dos últimos cinco anos, o desenvolvimento e o aperfeiçoamento do mercado de capitais brasileiro compõem uma realidade indiscutível, trazendo para as empresas e para a economia nacional como um todo as vantagens de uma renovada fonte de financiamento de longo prazo. Nesse panorama, que tem evoluído também de acordo com as novas exigências e tendências globais de investimento, tornou-se indispensável, além da mera avaliação de performance financeira de cada companhia, um grau mais elevado de sofisticação no relacionamento entre as companhias e os diversos agentes do mercado, agregando maior transparência, conduta ética, comunicação adequada, responsabilidade social e ambiental.

Para acompanhar todo esse conjunto de novos requisitos, as empresas brasileiras que pretendem ingressar no mercado de capitais, ou aquelas que já haviam participado desse mercado e agora buscam um caminho para retomar operações de maneira bem sucedida, aprenderam que é preciso valorizar a estratégia de Relações com Investidores. O papel exercido por esses profissionais, que em muitos casos era bastante restrito e ficava subordinado às diretorias financeiras das empresas, ganhou novo significado e passou a ser considerado um fator vital para o sucesso de qualquer iniciativa corporativa junto ao mercado. Esse papel estratégico cresceu em todos os aspectos de sua atuação, envolvendo o relacionamento entre a empresa e investidores, órgãos reguladores, instituições e entidades do mercado e à mídia especializada. Os profissionais de Relações com Investidores passaram, inclusive, a ser os porta-vozes ou interlocutores das companhias em diversos níveis de comunicação, num processo saudável em busca da qualificação e da transparência de informações. Da mesma forma captam as dúvidas, anseios e demandas dos investidores, analistas e formadores de opinião e repassam internamente para as organizações.

Esse movimento foi bem traduzido pelos resultados da segunda edição Pesquisa IBRI/Fipecafi, realizada em 2003. A pesquisa foi idealizada com o objetivo de atualizar permanentemente a percepção do mercado a respeito da evolução da atividade e das mudanças comportamentais dos profissionais de RI.

O levantamento mostrou uma relevante mudança de perfil de atuação para os profissionais de RI no Brasil. Foram ouvidos 119 profissionais e o resultado ressaltou o crescimento do papel estratégico do RI dentro das companhias. A pesquisa revelou que, em 96,2% dos casos, a área de RI já é considerada hoje a principal interlocutora das companhias junto aos órgãos reguladores de mercado.

Também ficou evidenciado o aumento da importância hierárquica do RI nas empresas. Em 2003, 92,8% das empresas já mantinham estruturas de RI independentes e com maior número de funcionários, sendo que 46% delas passaram a ter de dois a cinco funcionários e 20% contavam com mais de seis funcionários. Em 2000, quando foi feita a primeira Pesquisa Ibri/Fipecafi, 79% das companhias mantinham uma estrutura independente para a área de RI e os percentuais de funcionários eram de, respectivamente, 32% e 16%.

É clara a tendência de segregação entre as atividades de Relações com Investidores e a área financeira
O conhecimento da legislação internacional tornou-se estratégico para o bom desempenho do profissional

É um quadro que reflete perfeitamente essa nova realidade do mercado, mostrando de maneira clara a tendência de segregação cada vez maior entre as atividades dos profissionais de RI e a área financeira. Nesse período de três anos, cresceu o número de empresas que decidiram manter diretorias exclusivas de Relações com Investidores e estamos convictos de que o próximo passo será o avanço, ainda em ritmo mais acelerado, da participação dos profissionais de RI no planejamento estratégico das companhias. A comunicação eficaz e bem coordenada com todas as partes envolvidas no conceito de sustentabilidade é um aspecto decisivo e deverá ser uma função desempenhada cada vez com maior importância pelos profissionais de RI para que as informações sejam transmitidas de maneira integrada a todos os agentes do mercado e aos veículos de comunicação.

Entre os resultados da pesquisa Ibri/Fipecafi que chamam mais atenção, vale destacar o fato de que, para 30% dos entrevistados, o porta-voz da empresa é o profissional de RI, contra um percentual anterior de 22%, apurado na primeira edição desse levantamento. Diante do maior grau de exigência demonstrado pelos investidores e pelas companhias, os entrevistados revelaram que existe uma demanda crescente dos profissionais de RI por novas ferramentas que possam contribuir para aprimorar resultados e agregar valor ao seu trabalho.

O conhecimento mais aprofundado de legislação internacional é outro diferencial que tem se tornado estratégico para o bom desempenho do trabalho de RI, em virtude da internacionalização dos mercados, da maior presença das empresas brasileiras no comércio exterior e nas grandes bolsas mundiais. Entre os entrevistados, 45% afirmaram sentir falta de maior aprendizado de técnicas de legislação internacional e 35% disseram estar prontos para receber treinamento especializado na área de relações com a imprensa. Como resultado direto desse levantamento, o programa do curso MBA – mantido pelo Ibri em convênio com a Fipecafi – já incorporou ao seu programa o tema da atualização em legislação internacional.

Vale destacar, ainda, a maior conscientização dos profissionais de RI sobre a necessidade de contar com uma estrutura institucional para apoiar sua atividade. Entre os demais resultados da 2ª Pesquisa Ibri/Fipecafi, pode ser destacada a evolução de 25% nesse período do número de filiados ao Ibri.

Tenho convicção de que a estruturação adequada de uma área de RI, com profissionais dedicados e preparados para a função, traduz-se em benefícios da maior importância para as organizações, agregando valor para a estrutura interna, maximizando seus valores para a comunidade, bem como beneficiando a todos os seus investidores.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a algumas reportagens.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Bastidores da informação
Próxima matéria
Trilha para o topo




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Bastidores da informação
 Muito se ouve falar da Sarbanes-Oxley (SOX), a rigorosa legislação lançada em 2002 para colocar nos trilhos...