Pesquisar
Pesquisar
Close this search box.
Volta aos fundamentos

Nada de estrutural mudou no Brasil, mas a perspectiva de uma nova condução política tem sido suficiente para animar os investidores. Eles parecem ter lembrado que, ao ser comparado com outros destinos no mapa global, o País não parece tão mal: tem ambiente institucional organizado, grande potencial para avanço em certos setores, boas oportunidades de consolidação de negócios e agora — quem sabe — uma possibilidade de estabilização do câmbio. Frente à liquidez pujante despertada por taxas de juros próximas de zero no exterior, o Brasil reluz, assim como seus fundamentos.

Na matéria de capa desta edição, comemorativa dos 13 anos da Capital Aberto, quatro gestores de fundos internacionais desfiam suas impressões sobre o País. Eles advertem que muito trabalho duro ainda é necessário, mas transmitem um otimismo providencial. Em entrevista à Papo Aberto, Patrice Etlin, da Advent International, enfatiza as oportunidades únicas geradas pela crise econômica e pela Lava Jato. É a hora de comprar, diz ele.

Também neste número, os detalhes de um projeto de lei estruturado para o restabelecimento da confiança nos fundos de pensão. Depois de 140 pessoas terem sido indiciadas por esquemas fraudulentos e má gestão, as fundações se tornam alvo de propostas para profissionalização de diretorias, apuração de sistemas de governança e reforço de fiscalização. Na reportagem de Luciana Del Caro, participantes opinam — e divergem — sobre os meios mais eficazes para se chegar a esses objetivos.

Reportagem de Yuki Yokoi esmiúça um relatório do Ministério Público Federal sobre fraudes na Petrobras que vão além do petrolão. Ao deslocar o foco do esquema de corrupção para a manobra relacionada aos preços dos combustíveis, os procuradores acusam os conselheiros de ilegalidade por terem aceitado impor prejuízos à companhia em benefício de uma política macroeconômica — o controle da inflação.

O professor Alexandre Di Miceli da Silveira enumera, em sua coluna, dez atributos para a governança do século 21. Na base do modelo proposto estão uma nova mentalidade sobre o que constitui o sucesso empresarial e uma valorização dos meios em relação aos fins. Chegou o momento, afirma o colunista, de se revisitar aspectos fundamentais. E de se perguntar: “Qual deve ser o propósito das companhias como órgãos da sociedade?”


Para continuar lendo, cadastre-se!
E ganhe acesso gratuito
a 3 conteúdos mensalmente.


Ou assine a partir de R$ 34,40/mês!
Você terá acesso permanente
e ilimitado ao portal, além de descontos
especiais em cursos e webinars.


Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o limite de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês.

Faça agora uma assinatura e tenha acesso ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais


Ja é assinante? Clique aqui

mais
conteúdos

APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.