Funcionários apostam em ações da empresa para aposentadoria

Internacional / Edição 20 / 1 de abril de 2005
Por 


Enquanto as corporações incentivam seus empregados a investirem nos próprios papéis, a associação norte-americana de corretores de valores – National Association of Securities Dealers (NASD) – decidiu alertar para os perigos desta prática. Nos EUA, é comum os funcionários investirem grande parte de suas contribuições para planos de previdência em ações da companhia em que trabalham.

Um estudo feito pelo Employee Benefits Institute (EBRI) revelou que um contingente significativo de empregados aplica mais de 25% da aposentadoria em papéis da empresa para a qual trabalha. Um quarto dos que estão na faixa dos 60 anos direciona mais da metade das suas contribuições para essas ações e 16% chegam a investir mais de 80%. “Os funcionários não deveriam arriscar sua aposentadoria apostando no sucesso de apenas um título”, adverte John Gannon, vicepresidente para educação de investidores da NASD.


Quer continuar lendo?

Você já leu {{limit_offline}} conteúdo(s). Gostaria de ler mais {{limit_online}} gratuitamente?
Faça um cadastro!

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Controle concentrado reduz probabilidade de listagem em bolsa
Próxima matéria
Conselhos mais femininos e independentes nos EUA




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Controle concentrado reduz probabilidade de listagem em bolsa
Estudo divulgado em fevereiro por cinco pesquisadores norte-americanos utilizando dados de mais de 4.000 empresas de 31 países...