A quebra de um manipulador

Edição 118 / 1 de junho de 2013
Por 


Em 9 de junho de 1989, um cheque sem fundos de 38 milhões de cruzados novos (cerca de US$ 12,5 milhões) encerrou a maior farsa vivida pelo mercado de capitais no Brasil. E legou como consequência a destruição da Bolsa do Rio, que já foi a mais importante do País.

O cheque deveria pagar operações de Naji Nahas, tratado pela imprensa como megaespeculador, apesar de nunca ter ostentado essa característica. Muito ao contrário, ele agira sempre como um manipulador de preços e tendências dos ativos em que operava.

Sua trajetória foi uma sucessão de desastres. Entre 1979 e 1980, associou-se a americanos e árabes em negócios futuros com prata. A participação redundou em saldo devedor de US$ 51 milhões numa corretora e rumoroso processo movido pela CFTC, organismo americano de supervisão de commodities.

Em 1982, Nahas comprou grande quantidade de ações de Petrobras e Banco do Brasil. Sem lastro para arcar com os compromissos, socorreu-se de um empréstimo de emergência, mediante a caução dos títulos, no banco francês Societé Genérale, ao qual era vinculado no Brasil. O fim dessa associação se daria em termos nebulosos, em maio de 1985.

Em agosto de 1984, Nahas assumiu o controle da Companhia Internacional de Seguros, quarta em volume de prêmios entre as seguradoras brasileiras naquele ano. Em 1987, ela havia caído para o 13o lugar.

Usando as mesmas táticas de açambarcamento praticadas no mercado de prata e na Petrobras, Nahas iniciou nova bola de neve em 1988, comprando opções de ações da Vale do Rio Doce. A Bovespa rapidamente se deu conta dos riscos incorridos e criou restrições à concentração pretendida. Mas a Bolsa do Rio caminhou em sentido oposto: recebeu o manipulador de braços abertos, sob o olhar complacente da Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

No vencimento das opções, em fevereiro de 1989, Nahas comprou alguns milhões de ações da Vale do Rio Doce. Começava o fim de sua marcha da insensatez. Sem recursos próprios para bancar os títulos, recorreu a um expediente conhecido como D-0, método de financiamento diário voltado a pequenos especuladores, incapaz de sustentar uma carteira de valores elevadíssimos. O processo demandava alta constante dos papéis, de modo a incorporar, permanentemente, as despesas à quantia financiada.

Era uma autêntica operação suicida, que atingiu o clímax em 9 de junho, com a quebra do manipulador e das várias corretoras que agenciavam sua ciranda. Assim se deu o melancólico fim da Bolsa do Rio.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Naji Nahas Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Estranhos no ninho
Próxima matéria
Reflexão necessária



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.




Leia também
Estranhos no ninho
No mundo empresarial, como definir um presidente de companhia bem-sucedido? Alguns dirão que é o gestor experiente, com grande...