O investimento de impacto como uma tese de venture capital

O “impact investing”, está se tornando cada vez mais conhecido, e praticado, nos cenários nacional e internacional. A denominação define o aporte de recursos em empresas ou instituições que possuem a intenção de causar impacto social e ambiental positivo na comunidade, além de obter retorno …

V.C. & Empreendedorismo/Edição 142 / 1 de junho de 2015
Por  e    /    Versão para impressão Versão para impressão


O “impact investing”, está se tornando cada vez mais conhecido, e praticado, nos cenários nacional e internacional. A denominação define o aporte de recursos em empresas ou instituições que possuem a intenção de causar impacto social e ambiental positivo na comunidade, além de obter retorno financeiro. No Brasil, o investimento de impacto está intimamente relacionado aos setores de educação, saúde e habitação.

Muitos investidores enxergam nele o meio termo entre a filantropia e o venture capital tradicional. Isso porque se trata de uma forma autossustentável, mais profissional e eficiente, de abordar problemas sociais e ambientais, ao mesmo tempo em que é um investimento de risco que visa retornos financeiros e, portanto, tem mecanismos de controle e fiscalização sobre o capital investido (ao contrário de uma doação, que não demanda, em princípio, prestação de contas nem compromisso com a sustentabilidade do projeto).

Além do lucro, o empreendedor será avaliado pelos efeitos sociais e ambientais que se propôs a criar

Nossa maneira de ver é um pouco menos simplista — ou mais, a depender da interpretação: acreditamos que o investimento de impacto, quando realizado por fundos de investimentos, é apenas mais uma tese de venture capital (como investir em empresas de tecnologia, por exemplo). É a alocação de recursos em companhias que precisem de capital para crescer e tenham um negócio atrativo e com bom potencial, mas entreguem algo a mais. Que algo a mais? Um impacto na redução do custo do acesso à saúde pela população mais carente, por exemplo. Há muitos outros…

Portanto, em termos práticos e jurídicos, há poucas questões que precisamos observar numa operação de impact investing, quando comparada com uma operação de venture capital tradicional.

Além do resultado financeiro e da governança da companhia (duas grandes preocupações da tese de investimentos do venture capitalist tradicional), a medição e o controle do impacto social constituem um fator ao qual o investidor de impacto estará atento, e que será tratado nos documentos e no dia a dia da operação de investimento. Nesse contexto, sentimos que, em termos de governança e retorno financeiro, o investidor passa a ver um impacto, com o perdão do trocadilho, semelhante ao retorno social, tratando de forma equilibrada os três aspectos. Do lado do empreendedor, é importante ter em mente que será avaliado não só pelo lucro, mas da mesma forma — ou até com mais rigor — pelos efeitos sociais e, eventualmente, ambientais que se propôs a criar.

Destaque-se, por fim, que no cenário atual há vários fundos de impacto social com recursos para investir, buscando empresas que tenham potencial para criar um impacto social positivo e, ao mesmo tempo, trazer retorno financeiro. Vemos que a cada dia o mercado enxerga mais valor nas organizações que têm como um dos seus pilares a preocupação em gerar benefícios para a sociedade. Assim, para os empreendedores cuja empresa possui esse perfil, há ótimas oportunidades na captação de investimentos.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Aceno bom
Próxima matéria
Uma tecnologia polivalente



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.




Leia também
Aceno bom
A Petrobras, finalmente, saiu do limbo especulativo. Em pouco menos de um mês, chegaram ao mercado o balanço auditado de 2014,...