Lei de Falências favorece “ganha-ganha” com a venda de unidades isoladas

Seletas / Legislação e Regulamentação / Artigo / Edição 64 / 3 de fevereiro de 2017
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


Cesar Amendolara*

Cesar Amendolara*

Passados mais de dez anos de vigência da Lei 11.101/05, conhecida como Lei de Recuperação Judicial e Falências, é inegável admitir os benefícios das inovações que o diploma introduziu. Estabeleceu mecanismos que tornaram viáveis a continuidade do negócio da empresa sujeita ao regime da recuperação judicial e a possibilidade de superação das situações de crise, com o objetivo de preservar a atividade produtiva e, consequentemente, empregos e geração de riquezas.

Vale dizer que um dos mais importantes princípios norteadores da Lei 11.101/05 é a preservação da empresa — conforme previsto, por exemplo, em seu art. 47: “A recuperação judicial tem por objetivo viabilizar a superação da situação de crise econômico-financeira do devedor, a fim de permitir a manutenção da fonte produtora, do emprego dos trabalhadores e dos interesses dos credores, promovendo, assim, a preservação da empresa, sua função social e o estímulo à atividade econômica”.

Ressalte-se que uma das funções sociais da empresa é a sua própria preservação. Ao explorar as atividades previstas em seu objeto social, ela promove interação com outros agentes econômicos, seja consumindo, vendendo, pagando tributos, gerando empregos — em resumo, movimentando a economia e ajudando no desenvolvimento do País com base na influência que exerce na comunidade em que está inserida.

Com vistas à manutenção da atividade produtiva desenvolvida, os dispositivos da Lei 11.101/05 transformaram a compra de ativos no âmbito de um processo de recuperação judicial em uma alternativa extremamente interessante para o comprador. Os ativos podem ser adquiridos não só em ótimas condições de preço (em razão da urgência e da necessidade da venda), mas também (e, talvez, mais importante) livres dos encargos sucessórios.

Nesse contexto, a alienação de unidades produtivas isoladas (as UPIs) é, sem dúvida, o dispositivo de lei que de fato corporifica a ideia da manutenção/preservação da atividade. Por esse mecanismo, o adquirente — que, em geral, tem situação financeira mais saudável — pode dar continuidade à atividade-objeto da UPI, ao passo que o devedor aplicará os recursos obtidos na alienação para viabilizar a sua recuperação.

Trata-se, portanto, de uma situação que poderíamos classificar como “ganha-ganha”. A garantia de que os ativos que formam a UPI e são objeto de um plano de recuperação judicial devidamente homologado serão transferidos ao adquirente livres de qualquer ônus, sem a sucessão nas obrigações do devedor (inclusive as de natureza tributária, as derivadas da legislação do trabalho e as decorrentes de acidentes de trabalho) é um atrativo inquestionável para potenciais terceiros interessados na aquisição da UPI.

Senão, vejamos. Os grandes entraves e dificuldades que as operações de compra e venda de empresas enfrentam, no Brasil e no mundo, estão relacionados à questão da responsabilidade pelos passivos e contingências gerados antes da operação de venda. Por isso muitos negócios não se concretizam — ou os preços pagos diminuem ou garantias custosas têm que ser contratadas. Isso sem falar nas numerosas disputas judiciais ou nas demandas de arbitragem geradas após o fechamento da operação.

Assim, potenciais interessados em investir tendem a voltar seus olhos e bolsos para essas oportunidades de aquisição de ativos liberados do grande fantasma chamado sucessão. Comparativamente, é inegável que a aquisição sob o guarda-chuva do parágrafo único do art. 60 da Lei 11.101/05 é muito mais vantajosa do que uma aquisição ou reorganização societária que se dá sem essa vantagem da não sucessão.

Esse movimento vem fomentando o mercado, mormente pelo fato de que a crise econômica que o País enfrenta fez crescer exponencialmente o número de pedidos de recuperação judicial. Isso significa que, se por um lado termos mais empresas em recuperação não é um bom indicador, por outro mais oportunidades para UPIs serem adquiridas formam um aspecto positivo. Gera-se, sem dúvida, um círculo virtuoso, que em última análise vai definitivamente fazer com que a Lei de Recuperação Judicial efetivamente sirva para recuperar as empresas e a economia do País.

Oxalá todos os operadores que se deparem com essas operações — sejam investidores, credores, assessores financeiros, advogados, juízes, promotores, administradores judiciais, entre outros — percebam a importância da correta aplicação dos princípios da Lei de Recuperação de empresas e, com isso, ajudem a igualmente recuperar o Brasil.


*Cesar Amendolara (cesar.amendolara@vellozaegirotto.com.br) é sócio responsável pela área de M&A do escritório Velloza e Girotto Advogados. Colaborou Marília Bueno Poletti (marília.poletti@vellozaegirotto.com.br), advogada sênior da área de M&A do mesmo escritório


Quer continuar lendo?

Você já leu {{limit_offline}} conteúdo(s). Gostaria de ler mais {{limit_online}} gratuitamente?
Faça um cadastro!

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  fusões e aquisições crise financeira recuperação judicial Lei 11.101/05 crise econômica compra de ativos lei da falências Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Oportunidades para investidores estrangeiros no mercado imobiliário brasileiro
Próxima matéria
Alpargatas prepara migração para o Novo Mercado, com diluição de investidores




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Oportunidades para investidores estrangeiros no mercado imobiliário brasileiro
Investidores estrangeiros com apetite para risco não podem ignorar as oportunidades que hoje existem no mercado imobiliário...