Iosco orienta países emergentes a lidar com derivativos de balcão

Bimestral/Relações com Investidores/Internacional/Temas/Edição 84 / 1 de agosto de 2010
Por 


A crise financeira global serviu, dentre outras coisas, para acender o sinal de alerta para os pouco regulados derivativos de balcão. De olho na questão, a International Organization of Securities Commissions (Iosco) lançou uma série de recomendações sobre como os países emergentes devem lidar com o tema.

Com base em um questionário enviado a 19 países, a entidade descobriu que, apesar de os mercados de derivativos nos emergentes não terem sofrido abalos tão grandes quanto os da Europa e dos Estados Unidos, uma série de problemas pode prejudicar seu funcionamento.

Um deles é a falta de transparência nas operações. “Faltam informações sobre os riscos embutidos nesses instrumentos”, adverte a Iosco. Por isso, a entidade recomenda a seus membros que exijam a clara divulgação dos riscos existentes em cada tipo de derivativo e uma análise da adequação do produto ao investidor (suitability) por parte dos intermediários.

A associação das comissões de valores mobiliários alertou para a importância de os países adotarem clearings que também atuem como contrapartes centrais (CCPs, na sigla em inglês) — entidades que se colocam entre as duas pontas de uma operação, garantindo a execução financeira. “As CCPs cumprem o papel importantíssimo de reduzir riscos sistêmicos, pois evitam o alastramento dos danos de eventuais defaults”. Em 2009, ressalta a Iosco, apenas 33% dos derivativos de balcão nos emergentes foram compensados via CCPs.

Outra importante medida a ser tomada pelos reguladores é a padronização dos instrumentos e dos processos relacionados a execução, compensação e liquidação das operações. “A padronização dos derivativos reduz riscos financeiros e facilita a adoção de processos pós-negociação”, diz o documento.

http://www.iosco.org/library/pubdocs/pdf/IOSCOPD330.pdf


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Derivativos Emergentes Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Governança em obra pública
Próxima matéria
Baixo nível de informação sobre a diversidade do board



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Governança em obra pública
Conselhos de administração com, pelo menos, 20% de membros independentes e acionistas controladores impedidos de votar...