IBGC sugere melhorias na gestão de risco ambiental

O Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC) lançou, no dia 12 de fevereiro, sua quarta carta de opinião do ano, sugerindo às companhias que melhorem a gestão de riscos. Sem citar o rompimento de barragem operada pela Samarco em Minas Gerais, no ano passado, o IBGC inicia o documento …

Governança Corporativa/Seletas/Edição 18/Reportagens / 19 de fevereiro de 2016
Por 


Ilustração: Grau 180.com.

Ilustração: Grau 180.com.

O Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC) lançou, no dia 12 de fevereiro, sua quarta carta de opinião do ano, sugerindo às companhias que melhorem a gestão de riscos. Sem citar o rompimento de barragem operada pela Samarco em Minas Gerais, no ano passado, o IBGC inicia o documento dizendo que “a ocorrência ainda frequente de desastres ambientais (…) impõe aos conselheiros de administração, diretores e demais agentes de governança uma necessidade urgente de revisar seus processos de tomada de decisão, de prestação de contas, transparência e comunicação com as partes interessadas”.

Para que as companhias persigam o que chama de “lucro ótimo” em vez de “lucro máximo”, o instituto recomenda a adoção de seis medidas. Entre elas, a identificação dos impactos positivos e negativos das atividades e uma postura atenta às externalidades — termo adotado pelo IBGC para se referir aos efeitos indiretos causados pelas organizações. A entidade também propõe que as empresas mensurem a probabilidade de concretização de riscos e sua exposição financeira a eles e que prezem pela comunicação com o mercado.

No documento, o IBGC ainda mandou um recado aos administradores: a atuação de conselheiros de administração e diretores “precisa evoluir”. De acordo com o instituto, os executivos devem abandonar o foco excessivo no curto prazo e nos aspectos tangíveis e adotar uma visão mais ampla, que considere todas as partes interessadas, e não apenas os acionistas.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Vale IBGC Samarco risco ambiental Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
STJ mantém pena por insider trading no caso Sadia-Perdigão
Próxima matéria
As penny stocks e a tempestade perfeita da Petrobras



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
STJ mantém pena por insider trading no caso Sadia-Perdigão
O Superior Tribunal de Justiça (STJ) concluiu o julgamento do recurso especial do caso Sadia-Perdigão e confirmou parte...