Pesquisar

|

|

Pesquisar
Close this search box.
Silêncio anunciado
Codim orienta companhias a dar transparência sobre quiet period antes da divulgação de resultados

Levantamento feito pelo coordenador do Comitê de Orientação para Divulgação de Informações ao Mercado (Codim), Haroldo Levy, mostra que, quando o assunto é informar os investidores sobre a adoção de período de silêncio antes das demonstrações contábeis, as empresas ainda engatinham. De 159 companhias que integram o Índice de Governança Corporativa (IGC) analisadas por ele entre 2 de fevereiro e 31 de agosto de 2009, apenas 50 informam que possuem essa prática em seus avisos de divulgação de resultados. Destas, 22 têm algum dado a respeito também no site. Ou seja, a grande maioria simplesmente não faz qualquer menção sobre quiet period.

Por isso, com o objetivo de instruir as empresas sobre as melhores práticas em relação ao assunto, o Codim lançou, em 22 de setembro, o Pronunciamento de Orientação 07. Nele, o comitê alerta que as informações usuais, não relacionadas diretamente às demonstrações contábeis a serem divulgadas, devem continuar a ser comunicadas normalmente ao mercado. Além disso, aconselha que as companhias informem no seu site, em lugar de fácil acesso, se usam ou não o período de silêncio e quais as suas características. Também sugere que as empresas, ao anunciar a data de divulgação dos seus resultados, digam claramente se utilizam essa prática e qual a sua duração.

Para auxiliar na elaboração do pronunciamento, o Instituto Brasileiro de Relações com Investidores (Ibri) fez, a pedido do Codim, uma pesquisa para saber os motivos que levam as companhias a adotarem o período de silêncio. As respostas encontradas foram as mais diversas, como: “evitar especulação desnecessária em torno da ação”; “evitar eventuais negociações baseadas em informações privilegiadas”; “garantir a equidade na divulgação de informações relativas ao resultado”; e “poupar os esforços da área de RI, que está focada no material de divulgação das demonstrações contábeis”. Quanto a esse último aspecto, Levy faz uma ressalva: “Sabemos que, muitas vezes, a empresa tem um único profissional de RI para fazer todo o trabalho, mas isso não é pretexto. As empresas precisam estar preparadas para manter uma rotina de comunicação com o mercado e, principalmente, ter profissionais treinados que saibam o que podem ou não falar”.


Para continuar lendo, cadastre-se!
E ganhe acesso gratuito
a 3 conteúdos mensalmente.


Ou assine a partir de R$ 34,40/mês!
Você terá acesso permanente
e ilimitado ao portal, além de descontos
especiais em cursos e webinars.


Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o limite de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês.

Faça agora uma assinatura e tenha acesso ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais


Ja é assinante? Clique aqui

Acompanhe a newsletter

Leia também

mais
conteúdos

APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.