Silêncio anunciado

Codim orienta companhias a dar transparência sobre quiet period antes da divulgação de resultados

Relações com Investidores/Temas/Edição 74 / 1 de outubro de 2009
Por 


Levantamento feito pelo coordenador do Comitê de Orientação para Divulgação de Informações ao Mercado (Codim), Haroldo Levy, mostra que, quando o assunto é informar os investidores sobre a adoção de período de silêncio antes das demonstrações contábeis, as empresas ainda engatinham. De 159 companhias que integram o Índice de Governança Corporativa (IGC) analisadas por ele entre 2 de fevereiro e 31 de agosto de 2009, apenas 50 informam que possuem essa prática em seus avisos de divulgação de resultados. Destas, 22 têm algum dado a respeito também no site. Ou seja, a grande maioria simplesmente não faz qualquer menção sobre quiet period.

Por isso, com o objetivo de instruir as empresas sobre as melhores práticas em relação ao assunto, o Codim lançou, em 22 de setembro, o Pronunciamento de Orientação 07. Nele, o comitê alerta que as informações usuais, não relacionadas diretamente às demonstrações contábeis a serem divulgadas, devem continuar a ser comunicadas normalmente ao mercado. Além disso, aconselha que as companhias informem no seu site, em lugar de fácil acesso, se usam ou não o período de silêncio e quais as suas características. Também sugere que as empresas, ao anunciar a data de divulgação dos seus resultados, digam claramente se utilizam essa prática e qual a sua duração.

Para auxiliar na elaboração do pronunciamento, o Instituto Brasileiro de Relações com Investidores (Ibri) fez, a pedido do Codim, uma pesquisa para saber os motivos que levam as companhias a adotarem o período de silêncio. As respostas encontradas foram as mais diversas, como: “evitar especulação desnecessária em torno da ação”; “evitar eventuais negociações baseadas em informações privilegiadas”; “garantir a equidade na divulgação de informações relativas ao resultado”; e “poupar os esforços da área de RI, que está focada no material de divulgação das demonstrações contábeis”. Quanto a esse último aspecto, Levy faz uma ressalva: “Sabemos que, muitas vezes, a empresa tem um único profissional de RI para fazer todo o trabalho, mas isso não é pretexto. As empresas precisam estar preparadas para manter uma rotina de comunicação com o mercado e, principalmente, ter profissionais treinados que saibam o que podem ou não falar”.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 36 00

Mensal

Acesso Digital
-
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Completa

R$ 42 00

Mensal

Acesso Digital
Edição Impressa
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Corporativa

R$ 69 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 15% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Clube de conhecimento

R$ 89 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 20% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital | Acervo de Áudios



Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Relações com Investidores Período de silêncio Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Manual médico
Próxima matéria
Novos horizontes



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Manual médico
Imagine a cena: a ambulância chega ao hospital com um paciente em estado crítico. Os médicos, já a postos, correm para...
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}